Em CPI do BNDES, João Santana aponta seletividade da Lava Jato

"Houve uma casualidade, uma seletividade. Acho que fui vítima da exposição minha, de ter feito tantas campanhas ligado ao Partido dos Trabalhadores”, disse o publicitário João Santana em depoimento na CPI do BNDES

(Foto: Will Shutter/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Fórum - O publicitário João Santana, ex-marqueteiro de campanhas de  Lula e Dilma, afirmou que realizou uma delação premiada contra sua  vontade pessoal e apontou seletividade nas investigações da Lava Jato ao  apenas incriminá-lo, quando a prática de Caixa 2 eleitoral era  praticada por todos os candidatos e partidos. Santana foi ouvido  nesta terça-feira (9) na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI)  do BNDES, que investiga supostas irregularidades cometidas pelo banco  no período de janeiro de 2003 a 2015. O autor do requerimento para  convocar Santana junto com sua esposa, Mônica Moura, foi o deputado  Marco Bertaiolli (PSD-SP).

Em resposta à pergunta do deputado Jorge Solla (PT-BA), membro da  CPI, sobre a seletividade e a dura pena de 15 anos de prisão para forçar  sua delação, o publicitário respondeu: “Esse último detalhe eu não  posso dizer que foi dessa forma. Agora fui o único, e me surpreendeu. O  porquê eu não sei. Posso deduzir. Eu acho que houve uma casualidade, uma  seletividade. Acho que fui vítima da exposição minha, de ter feito  tantas campanhas ligado ao Partido dos Trabalhadores”, disse.

Assista:

Continue lendo na Fórum

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247