Em troca por renúncia, cassação de Cunha voltará ao Conselho de Ética

Logo depois que anunciou sua renúncia da presidência da Câmara, o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde protocolou um pedido para que seu processo de cassação retorne ao Conselho de Ética; sobrevida ao deputado foi um acordo para que ele pudesse renunciar ao cargo, do qual participaram o presidente interino, Michel Temer, o presidente da CCJ, Osmar Serraglio (PMDB-PR), e outros parlamentares do PMDB e da base

Logo depois que anunciou sua renúncia da presidência da Câmara, o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde protocolou um pedido para que seu processo de cassação retorne ao Conselho de Ética; sobrevida ao deputado foi um acordo para que ele pudesse renunciar ao cargo, do qual participaram o presidente interino, Michel Temer, o presidente da CCJ, Osmar Serraglio (PMDB-PR), e outros parlamentares do PMDB e da base
Logo depois que anunciou sua renúncia da presidência da Câmara, o deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde protocolou um pedido para que seu processo de cassação retorne ao Conselho de Ética; sobrevida ao deputado foi um acordo para que ele pudesse renunciar ao cargo, do qual participaram o presidente interino, Michel Temer, o presidente da CCJ, Osmar Serraglio (PMDB-PR), e outros parlamentares do PMDB e da base (Foto: Gisele Federicce)

247 - Em troca da renúncia à presidência da Câmara, anunciada nesta quinta-feira 7, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) verá o processo de cassação contra ele na Casa voltar ao Conselho de Ética.

Logo depois que anunciou sua renúncia da presidência da Câmara, o deputado afastado Cunha foi à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde protocolou um pedido para que seu processo de cassação retorne ao Conselho de Ética.

O relator, deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), deve atender à petição e já cancelou a próxima sessão da CCJ, que ocorreria na segunda-feira, informou reportagem do jornal O Globo nesta quinta.

O retorno do processo ao Conselho, o que dá sobrevida ao deputado, foi um acordo para que ele pudesse renunciar ao cargo, do qual participaram o presidente interino, Michel Temer, o presidente da CCJ, Osmar Serraglio (PMDB-PR), e outros parlamentares do PMDB e da base.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247