Escândalo do leite condensado: Randolfe vai à Justiça para impedir que governo continue a comprar “alimentos não essenciais”

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) recorreu ao Judiciário para impedir que o governo Jair Bolsonaro continue comprando alimentos não essenciais. O parlamentar destacou os R$ 15 milhões gastos apenas em leite condensado em 2020

Senador Randolfe Rodrigues
Senador Randolfe Rodrigues (Foto: Beto Barata/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) entrou, nesta terça-feira (2), com uma ação popular na 1ª Vara Federal Cível em Brasília (DF) contra a compra de "alimentos não essenciais" por parte do governo federal, dando destaque à quantia de R$ 15,6 milhões apenas em Leite Condensado em 2020. 

O parlamentou citou a "má utilização do dinheiro público para aquisição de alimentos perecíveis absolutamente fora do escopo do princípio da finalidade pública", de acordo com informações publicadas pelo blog do Fausto Macedo.

"Para que não se perca o valor de perspectiva, seria possível construir cerca de 180 hospitais de campanha para atendimento à população nesta pandemia ou o pagamento de mais uma parcela do auxílio emergencial no valor de R$ 600 para aproximadamente 3 milhões de famílias", disse. 

O congressista pediu que o Ministério Público Federal e o Tribunal de Contas da União sejam acionados para "apuração de legalidade e juridicidade das compras governamentais ora combatidas, inclusive com o manejo de ações de ressarcimento ao erário e ações de improbidade administrativa".

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email