Exposição em Brasília incentiva parto normal

Ao despertar o visitante, de um modo interativo, para as etapas da gravidez, a exposição Sentidos do Nascer pretende incentivar o parto normal e prevenir o prematuro; depois de passar pelo Rio de Janeiro, Niterói e Belo Horizonte, a mostra fica na capital federal até dezembro, quando será apresentada na 15ª Conferência Nacional de Saúde

Ao despertar o visitante, de um modo interativo, para as etapas da gravidez, a exposição Sentidos do Nascer pretende incentivar o parto normal e prevenir o prematuro; depois de passar pelo Rio de Janeiro, Niterói e Belo Horizonte, a mostra fica na capital federal até dezembro, quando será apresentada na 15ª Conferência Nacional de Saúde
Ao despertar o visitante, de um modo interativo, para as etapas da gravidez, a exposição Sentidos do Nascer pretende incentivar o parto normal e prevenir o prematuro; depois de passar pelo Rio de Janeiro, Niterói e Belo Horizonte, a mostra fica na capital federal até dezembro, quando será apresentada na 15ª Conferência Nacional de Saúde (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Ana Lúcia Caldas - Repórter do Radiojornalismo

Ao despertar o visitante, de um modo interativo, para as etapas da gravidez, a exposição Sentidos do Nascer pretende incentivar o parto normal e prevenir o prematuro. Depois de passar pelo Rio de Janeiro, Niterói e Belo Horizonte, a mostra fica em Brasília até dezembro, quando será apresentada na 15ª Conferência Nacional de Saúde. A exposição percorrerá algumas regiões do Distrito Federal e atualmente pode ser vista na praça central da cidade de Ceilândia, gratuitamente.

Os visitantes, ao entrar na exposição, veem sua barriga crescer por meio de uma tela de realidade virtual. No circuito, há uma espécie de loja de conveniência cirúrgica mostrando como muitas mulheres são influenciadas a programar o nascimento do filho, mesmo sem necessidade. Em outra etapa são apresentadas diversas opiniões que demonstram o conflito na escolha do parto. Ao final, o público tem uma espécie de renascimento ao passar pelo colo do útero, como se fosse uma criança vindo ao mundo.

Muitas mães antecipam o nascimento do filho, de forma desnecessária, por meio da cesárea e algumas crianças não estão prontas para nascer. O alerta é da pediatra, epidemiologista e coordenadora da Comissão Perinatal da Secretaria de Saúde de Belo Horizonte, Sônia Lansky, que idealizou o projeto em parceria com o professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Bernardo Jefferson de Oliveira.

A médica observa que mais de 57% dos partos no Brasil são cesarianas, quando o ideal, segundo a Organização Mundial de Saúde, são 15%. Segundo ela, 70% das cirurgias são programadas desrespeitando o tempo de o bebê nascer. "Nós organizamos essa exposição para demonstrar os benefícios do parto normal tanto para o bebê quanto para a mulher."

Alerta

Sônia Lansky explica que não se trata de uma mostra contra a cesariana, mas sim de um alerta sobre o excesso de cirurgias desnecessárias. "A cesariana é uma cirurgia importantíssima quando a mulher está em risco e o bebê está em risco", destaca. Porém, ela ressalta que o bebê retirado do útero precocemente pode ter complicações por não estar completamente desenvolvido e que, durante o parto, a mãe libera vários hormônios que terminam essa maturação.

A exposição tem sido aprovada pelo público. Um dos visitantes, Haroldo Alencar, de 40 anos, conta que sentiu uma "sensação estranha" ao se ver grávido, graças à tecnologia. Para ele, a experiência foi válida. Grávida, Raíssa Thaiane, de 20 anos, acredita que as informações fornecidas são importantes para perder o medo que muitas mulheres sentem do parto normal.

A Sentidos do Nascer é uma realização da Universidade de Brasília (UnB), do Ministério da Saúde, do movimento BH pelo Parto Normal, da Universidade Federal de Minas Gerais e da prefeitura de Belo Horizonte.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email