Furtado em R$ 90 mil, Henrique Alves travou investigação

Roubo ocorreu em 13 de junho de 2013, segundo Wellington Costa, assessor do então deputado; ele foi encarregado de levar os R$ 90 mil para outro deputado, João Maia (PR-RN), sem saber do motivo; para a polícia, o ex-presidente da Câmara adotou uma "postura de se furtar ao esclarecimento da verdade"; já a Promotoria apontou que o ministro "demonstrou inequívoco desinteresse em colaborar" com a apuração e que restam dúvidas "quanto à origem e destinação do dinheiro subtraído"; mesmo assim, o caso foi arquivado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot

Brasília- DF- Brasil- 17/11/2014- Seminário Pacto pela Boa Governança: Um Retrato do Brasil - presidente Henrique Eduardo Alves. Foto: J.Batista/ Câmara dos Deputados
Brasília- DF- Brasil- 17/11/2014- Seminário Pacto pela Boa Governança: Um Retrato do Brasil - presidente Henrique Eduardo Alves. Foto: J.Batista/ Câmara dos Deputados (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Roubado em R$ 90 mil, o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves (PMDB), não colaborou com as investigações do caso, segundo a polícia e o Ministério Público do DF.

O roubo ocorreu em 13 de junho de 2013, segundo Wellington Costa, assessor do então deputado. Ele disse que sacou o dinheiro em um banco onde Alves teria feito um empréstimo consignado. Afirma ter sido furtado no caminho para a Câmara, quando levava os R$ 90 mil para outro deputado, João Maia (PR-RN), sem saber do motivo.

Para a polícia, segundo reportagem de Rubens Valente, o ex-presidente da Câmara adotou uma "postura de se furtar ao esclarecimento da verdade". Já a Promotoria apontou que o ministro "demonstrou inequívoco desinteresse em colaborar" com a apuração e que restam dúvidas "quanto à origem e destinação do dinheiro subtraído".

Mesmo assim, o caso foi arquivado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot (leia mais).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247