Governo Bolsonaro faz acordo com EUA contra 5G chinês

O governo brasileiro declarou apoio à iniciativa “Clean Network”, lançada pelo governo Donald Trump como iniciativa diplomática dos EUA para impor medidas contra a China

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro (Foto: Reuters | Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Jair Bolsonaro aderiu a um acordo tecnológico com os Estados Unidos contra o 5g chinês, nesta terça-feira, 10, após cerimônia no Itamaraty, segundo reportagem do Estado de S.Paulo.

A cerimônia ocorreu com o secretário de Crescimento Econômico, Energia e Meio Ambiente do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Keith Krach, e o secretário de Negociações Bilaterais e Regionais nas Américas, embaixador Pedro Miguel da Costa e Silva. 

O governo brasileiro declarou apoio à iniciativa “Clean Network”, lançada pelo governo Donald Trump como iniciativa diplomática dos EUA para convencer países a banir de suas redes de telecomunicações “fornecedores não confiáveis”. Na realidade, trata-se de uma forma do governo norte-americano impor medidas contra a China. 

“O Brasil apoia os princípios contidos na proposta do Clean Network feita pelos Estados Unidos, inclusive na Organização Para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), destinados a promover no contexto do 5G e outras novas tecnologias um ambiente seguro, transparente e compatível com os valores democráticos e liberdades fundamentais”, disse o embaixador Costa e Silva.

A China é um dos países com a tecnologia mais avançada do mundo. O país colocou em órbita o primeiro satélite do mundo com tecnologia 6G.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247