Guimarães quer explicações de Heleno sobre dados de CNHs solicitados pela Abin

O parlamentar José Guimarães (PT), protocolou requerimento para obter informações do ministro-chefe do GSI, general Augusto Heleno, sobre dados e fotos de motoristas solicitados pela Abin ao Serpro

José Guimarães (PT) / general Augusto Heleno, da GSI
José Guimarães (PT) / general Augusto Heleno, da GSI (Foto: Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O líder da Minoria na Câmara dos Deputados, José Guimarães (PT/CE), protocolou, nesta terça-feira (09), requerimento para obter informações do ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno. O parlamentar quer explicações do general da reserva sobre dados e fotos de motoristas solicitados pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) ao Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro).

“Cabe ao Parlamento fiscalizar o Poder Executivo para evitar possíveis violações aos direitos fundamentais da privacidade e intimidade previstos no art. 5º da Constituição Federal. Precisamos ter certeza se os dados solicitados serão usados no âmbito da Abin, a fim de evitar excessos que se distanciam dos fins republicanos”, explica Guimarães.

Leia a íntegra do RIC nº 599/2020: https://bit.ly/2Aagou8

Dados da CNH

Segundo reportagem publicada no site The Intercept Brasil, na última semana, documentos vazados mostram que informações como nome, filiação, CPF, endereço, telefones, foto, dados dos veículos (inclusive com nomes de proprietários anteriores, situação e procedência) de cada cidadão habilitado a dirigir foram solicitados pela Abin. Ao lado do CPF, a CNH é o único documento de identificação de cidadãos armazenado nacionalmente – com a vantagem de trazer a foto do portador.

A notícia informa ainda que, no primeiro mês, mais de 75 milhões de registros seriam enviados para a agência de espionagem. Depois, a base seria atualizada com mais 1,5 milhão de registros por mês. O projeto começaria em maio de 2020 e teria a duração de um ano, a um custo de pouco mais de R$ 330 mil.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247