Homem detido em Brasília não é do MST e explicou dinheiro, diz polícia

O homem detido nesta segunda (11), em Brasília, com uma grande quantidade de dinheiro na mochila não é integrante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), como tem sido divulgado na imprensa e em redes sociais; José Carlos dos Santos foi detido na noite de ontem pela Polícia Militar (PM), nas imediações do Teatro Nacional, sob alegação de não saber explicar a origem do dinheiro que carregava; ele foi levado à 5ª Delegacia de Polícia (DP)

O homem detido nesta segunda (11), em Brasília, com uma grande quantidade de dinheiro na mochila não é integrante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), como tem sido divulgado na imprensa e em redes sociais; José Carlos dos Santos foi detido na noite de ontem pela Polícia Militar (PM), nas imediações do Teatro Nacional, sob alegação de não saber explicar a origem do dinheiro que carregava; ele foi levado à 5ª Delegacia de Polícia (DP)
O homem detido nesta segunda (11), em Brasília, com uma grande quantidade de dinheiro na mochila não é integrante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), como tem sido divulgado na imprensa e em redes sociais; José Carlos dos Santos foi detido na noite de ontem pela Polícia Militar (PM), nas imediações do Teatro Nacional, sob alegação de não saber explicar a origem do dinheiro que carregava; ele foi levado à 5ª Delegacia de Polícia (DP) (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Marcelo Brandão e Alex Rodrigues – Repórteres da Agência Brasil

O homem detido ontem (11), em Brasília, com uma grande quantidade de dinheiro na mochila não é integrante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), como tem sido divulgado na imprensa e em redes sociais. José Carlos dos Santos foi detido na noite de ontem pela Polícia Militar (PM), nas imediações do Teatro Nacional, sob alegação de não saber explicar a origem do dinheiro que carregava. Ele foi levado à 5ª Delegacia de Polícia (DP).

De acordo com o delegado Paulo Henrique e Almeida, diretor de Comunicação da Polícia Civil, o homem carregava R$ 13 mil e explicou que se tratava de uma rescisão trabalhista que recebera. Segundo o delegado, Santos, além de explicar o dinheiro que levava consigo, negou fazer parte do MST e foi liberado, por não haver nada que o incriminasse. “Não havia fato ilícito, não é crime portar dinheiro. Portanto, liberamos em seguida”.

Em nota, o MST reiterou que Santos não faz parte do movimento. “O senhor José Carlos, que não integra o MST nem em sua base militante, nem em suas instâncias diretivas, prestou seus esclarecimentos, declarou a origem do dinheiro e foi liberado. Segundo informações prestadas pelos policiais da 5° DP de Brasília ao MST, o senhor Santos afirmou não ser integrante de nenhum partido, ou movimento algum, tendo ido à manifestação por ato individual, que também é legítimo”.

A notícia da detenção de José Carlos foi dada a jornalistas pela Polícia Militar do Distrito Federal em uma rede social às 19h58 de ontem. A informação inicial da PMDF indicava que o homem faria parte do MST e portava R$ 20 mil sem saber explicá-los.

O fato repercutiu rápido no Congresso Nacional. O senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) usou as informações iniciais da PMDF divulgadas pela imprensa para criticar a postura do MST e dos “movimentos ligados à esquerda” que se opõem ao impeachment de Dilma Rousseff.

Manifestações

Em Brasília, a Esplanada dos Ministérios está preparada para manifestações contrárias e favoráveis ao impeachment. Todo o gramado que segue entre os ministérios até a frente do Congresso Nacional está dividido ao meio por um alambrado de metal para separar os dois grupos de manifestantes.

Manifestantes contrários e favoráveis ao impeachment já acampam em Brasília, preparando-se para acompanhar a votação em frente ao Congresso Nacional. A Polícia Militar deverá fazer um cordão de isolamento do Congresso para evitar que qualquer pessoa não credenciada se aproxime do prédio.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247