Janot estaria sonhando com a presidência em 2018?

A informação foi publicada pela jornalista Vera Magalhães; segundo ela, haveria essa convicção dentro da própria Polícia Federal; depois do afastamento da presidente Dilma Rousseff, o procurador-geral da República já apresentou denúncias contra a cúpula do PMDB, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e também mirou contra o ex-presidente Lula; quando não sobrar mais ninguém, Janot poderá se apresentar ao Planalto?

A informação foi publicada pela jornalista Vera Magalhães; segundo ela, haveria essa convicção dentro da própria Polícia Federal; depois do afastamento da presidente Dilma Rousseff, o procurador-geral da República já apresentou denúncias contra a cúpula do PMDB, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e também mirou contra o ex-presidente Lula; quando não sobrar mais ninguém, Janot poderá se apresentar ao Planalto?
A informação foi publicada pela jornalista Vera Magalhães; segundo ela, haveria essa convicção dentro da própria Polícia Federal; depois do afastamento da presidente Dilma Rousseff, o procurador-geral da República já apresentou denúncias contra a cúpula do PMDB, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e também mirou contra o ex-presidente Lula; quando não sobrar mais ninguém, Janot poderá se apresentar ao Planalto? (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Dentro da Polícia Federal, "cresce a crença de que, dadas as recentes ações e declarações impetuosas, Rodrigo Janot ensaia concorrer à Presidência em 2018". A informação foi publicada em um curta nota neste domingo 19 pela jornalista Vera Magalhães, do Radar Online.

Depois do afastamento da presidente Dilma Rousseff, em meio ao processo de impeachment, o procurador-geral da República já apresentou denúncias contra a cúpula do PMDB, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e também mirou contra o ex-presidente Lula.

Contra Aécio, há dois inquéritos envolvendo o tucano em um esquema de propina em Furnas e em uma suposta tentativa de influenciar a CPI dos Correios, de 2005, para ocultar dados que envolvessem nomes do mensalão tucano em Minas Gerais. Segundo acusações feitas pelo senador cassado Delcídio Amaral, o senador do PSDB teria atuado para maquiar documentos do Banco Rural.

O procurador-geral incluiu o ex-presidente Lula no inquérito que investiga Delcídio por supostamente ter tentado evitar a delação premiada do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. Trata-se de um aditamento à denúncia que já havia sido apresentada ao Supremo, em que Janot inclui, além de Lula, o empresário José Carlos Bumlai e seu filho, Maurício.

Janot incluiu até Dilma em sua lista de pedidos. O PGR solicitou autorizou do STF para investigar uma suposta obstrução à Justiça por parte da presidente, de Lula e do ex-ministro José Eduardo Cardozo. O pedido também teve como base a delação premiada de Delcídio Amaral, que afirmou que Aloizio Mercadante lhe pediu para que não firmasse a delação ofereceu ajuda para pagar os advogados.

Nessa semana, o Supremo Tribunal Federal atendeu a um pedido de Janot e determinou a abertura de inquérito para investigar se integrantes da cúpula do PMDB no Senado receberam propina da construção da Usina de Belo Monte. São alvos o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), o senador e ex-ministro do Planejamento, senador Romero Jucá (RR), além de Valdir Raupp (RO) e Jader Barbalho (PA). Janot chegou a pedir a prisão de Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Renan, Jucá e Sarney, mas não foi atendido.

Quando não sobrar mais ninguém, Janot poderá se apresentar ao Planalto?

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247