Joesley Batista presta depoimento à PF sobre denúncias de corrupção

Empresário Joesley Batista presta depoimento na manhã desta quarta-feira, 21, na Superintendência da Polícia Federal em Brasília; empresário foi visto chegando ao local por volta de 9h, acompanhado de advogados e entrou sem falar com a imprensa; depoimento do empresário acontece um dia depois que a Polícia Federal divulgou relatório em que aponta várias evidências de que Michel Temer praticou corrupção "com vigor"

Empresário Joesley Batista presta depoimento na manhã desta quarta-feira, 21, na Superintendência da Polícia Federal em Brasília; empresário foi visto chegando ao local por volta de 9h, acompanhado de advogados e entrou sem falar com a imprensa; depoimento do empresário acontece um dia depois que a Polícia Federal divulgou relatório em que aponta várias evidências de que Michel Temer praticou corrupção "com vigor"
Empresário Joesley Batista presta depoimento na manhã desta quarta-feira, 21, na Superintendência da Polícia Federal em Brasília; empresário foi visto chegando ao local por volta de 9h, acompanhado de advogados e entrou sem falar com a imprensa; depoimento do empresário acontece um dia depois que a Polícia Federal divulgou relatório em que aponta várias evidências de que Michel Temer praticou corrupção "com vigor" (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasília 247 - O empresário Joesley Batista, dono da JBS, presta depoimento na manhã desta quarta-feira, 21, na Superintendência da Polícia Federal em Brasília. O empresário foi visto chegando ao local por volta de 9h, acompanhado de advogados e entrou sem falar com a imprensa. Ele presta depoimento aos delegados das operações Bullish e Greenfield, segundo a PF.

Depoimento do empresário acontece um dia depois que a Polícia Federal divulgou relatório em que aponta várias evidências de que Michel Temer praticou corrupção "com vigor" junto com o ex-assessor especial Rodrigo Rocha Loures (leia mais).

Segundo a corporação, Temer valendo-se da interposição de Rodrigo Rocha Loures, aceitou "promessa de vantagem indevida em razão da função". A vantagem foi recebida do grupo J&F a Loures "imediatamente" e a Temer "remotamente".

Na última sexta (16), Batista também prestou depoimento e afirmou que soube por Geddel Vieira Lima que o presidente Michel Temer "pressionou" a ex-presidente do BNDES Maria Silvia para favorecer o frigorífico (leia mais).

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247