Juiz assessor da presidência do STJ causou prejuízo de quase R$ 1 bi à União, diz Polícia Federal

Segundo investigadores, o juiz federal Augustino Chaves foi responsável por decisões que resultaram em prejuízo de ao menos R$ 984 milhões aos cofres da União

www.brasil247.com - Juiz federal Augustino Chaves
Juiz federal Augustino Chaves (Foto: Divulgação)


247 - A Polícia Federal (PF) apontou o juiz federal Augustino Chaves como responsável por decisões que resultaram em prejuízo de ao menos R$ 984 milhões aos cofres da União nos últimos dois anos. Os valores são referentes a débitos fiscais e que tiveram cobranças suspensas por decisão do magistrado de 2012 a 2016. A informação foi publicada nesta quarta-feira (25) pelo jornal Folha de S.Paulo

Investigado na operação Skiagraphia, Chaves foi alvo de busca e apreensão na última sexta-feira (20) por supostamente beneficiar 27 grandes empresas em processos de execução fiscal na 20ª Vara da Justiça Federal do Ceará. 

De acordo com a PF, na maioria dos casos investigados, as devedoras do Fisco eram representadas pelo escritório Borges Neto Advocacia, que tem como sócio fundador José Borges Neto, ex-secretário administrativo da Justiça Federal do Ceará de 2007 a 2011 - nesse período, Chaves ocupava o cargo de diretor do Foro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Um dos sócios do escritório apareceu no quadro de empresas com acionistas que mantêm relação societária com a esposa de Chaves e um outro ex-funcionário da Justiça Federal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Após a operação a PF, o STJ informou que o juiz solicitou o desligamento da equipe de juízes auxiliares da presidência da Corte.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O juiz afirmou estar tranquilo com as investigações. "Nunca fui intimado de nada. É uma violência que repudio. Não vai dar em nada. Não tenho imóveis, são fatos antigos. São conjecturas e fantasias", disse. "Tudo é genérico, e genérico cabe tudo contra qualquer pessoa. Queria saber qual a decisão específica que causou prejuízo à Fazenda Nacional. Qual decisão foi reformada", acrescentou.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email