Justiça determina quebra de sigilo de dados de suspeitos de ataque hacker ao TSE

Justiça Eleitoral do Distrito Federal ordenou a quebra de sigilos de e-mails de três brasileiros suspeitos de serem responsáveis pelo suposto ataque hacker ao TSE. Pedido de quebra de sigilos atende a uma solicitação da PF

Fachada do TSE e urna eletrônica
Fachada do TSE e urna eletrônica (Foto: TSE | José Cruz/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - A Justiça Eleitoral do Distrito Federal ordenou a quebra de sigilos de e-mails de três brasileiros suspeitos de serem responsáveis pelo suposto ataque hacker ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No sábado (28), uma operação da Polícia Federal (PF) e da polícia portuguesa prendeu em Portugal um hacker, cidadão português de 19 anos, também suspeito de ter participado do ataque.

O pedido de quebra de sigilos dos três brasileiros atende a uma solicitação da PF e se estende de janeiro até dezembro. A corporação busca, a partir das investigações, estabelecer a relação dos brasileiros com o português. As informações foram publicadas pelo portal G1.

Postagens na Internet mostram que o cidadão português teria trocado mensagens com os brasileiros. O português teria enviado um link do TSE para os brasileiros em um chat. Após uma análise nos dados, os brasileiros teriam identificado uma área a ser atacada.

Os policiais conseguiram identificar sete conexões no dia 15 de novembro, data do primeiro turno das eleições municipais, e dez conexões no dia 19. Os investigadores apontam que isso mostra que os supostos ataques foram realizados por um grupo de hackers.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247