Laranjal de Cunha integra rede de 400 offshores

De acordo com dados enviados pelo Ministério Público Suíço ao Brasil, o argentino Jorge Reggiardo e o uruguaio Luis Maria Pittaluga são os controladores da empresa em Cingapura usada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), para abrir sua conta no banco Julius Baer; eles também são sócios de várias offshores do Panamá, que tem o mesmo capital, presidente e tesoureiro; o esquema é usado para esconder a real propriedade de ativos no exterior e também foi usado por Nestor Cervero, ex-diretor da Petrobras 

De acordo com dados enviados pelo Ministério Público Suíço ao Brasil, o argentino Jorge Reggiardo e o uruguaio Luis Maria Pittaluga são os controladores da empresa em Cingapura usada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), para abrir sua conta no banco Julius Baer; eles também são sócios de várias offshores do Panamá, que tem o mesmo capital, presidente e tesoureiro; o esquema é usado para esconder a real propriedade de ativos no exterior e também foi usado por Nestor Cervero, ex-diretor da Petrobras 
De acordo com dados enviados pelo Ministério Público Suíço ao Brasil, o argentino Jorge Reggiardo e o uruguaio Luis Maria Pittaluga são os controladores da empresa em Cingapura usada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), para abrir sua conta no banco Julius Baer; eles também são sócios de várias offshores do Panamá, que tem o mesmo capital, presidente e tesoureiro; o esquema é usado para esconder a real propriedade de ativos no exterior e também foi usado por Nestor Cervero, ex-diretor da Petrobras  (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Para abrir suas contas na Suíça, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), usou um “laranjal internacional” que integra 400 offshores no Panamá.

De acordo com dados enviados pelo Ministério Público Suíço ao Brasil, o argentino Jorge Reggiardo e o uruguaio Luis Maria Pittaluga são os controladores da empresa em Cingapura usada por Cunha para abrir sua conta no banco Julius Baer. O esquema é usado para esconder a real propriedade de ativos no exterior, ao interligar várias offshores.

A pratica adota por Cunha assemelha-se a que foi usado por Nestor Cervero, ex-diretor da área internacional da Petrobras. Os dois tem Pittaluga como sócio em comum.

Segundo reportagem de Chico de Gois, Pittaluga e Reggiardo aparecem como sócios em várias empresas do Panamá, que têm o mesmo capital de US$ 10 mil, os mesmos presidente, tesoureiro e secretario (leia aqui).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email