Lava Jato diz que filho do presidente do STJ recebeu R$ 40 milhões em troca de exercer influência em processos na corte

A Operação Lava Jato do Rio apontou que o advogado Eduardo Martins, filho do presidente do STJ, Humberto Martins, foi contratado por Orlando Diniz para exercer influência em ministros da corte com o objetivo de obter decisões favoráveis à permanência dele à frente da Fecomércio do estado

Eduardo Martins e seu pai Humberto Martins
Eduardo Martins e seu pai Humberto Martins (Foto: Reprodução | STJ)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Operação Lava Jato do Rio apontou que o advogado Eduardo Martins, filho do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins, foi contratado por Orlando Diniz para exercer influência em ministros da corte com o objetivo de obter decisões favoráveis à permanência dele à frente da Fecomércio do Rio. Era uma época em que Diniz estava afastado da presidência da Fecomércio e buscava uma decisão liminar do STJ para voltar ao cargo.

Por meio de sucessivos contratos, o escritório de Eduardo Martins recebeu cerca de R$ 40 milhões da Fecomércio. De acordo com a Lava Jato, os contratos não foram para prestar serviços advocatícios, mas sim "a pretexto de influenciar atos praticados por magistrados do Superior Tribunal de Justiça". 

Investigadores usaram a delação de Diniz para deflagrarem a operação desta quarta-feira (9). Os relatos sobre as conclusões do Ministério Público Federal no Rio foram publicados em reportagem do jornal O Globo. 

De acordo com a denúncia, "os integrantes do núcleo duro da organização criminosa em comento viram em todo esse cenário mais uma oportunidade perfeita para sangrar os cofres, inicialmente da Fecomércio/RJ e, mais tarde, do SESC/RJ e SENAC/RJ, valendo-se, para tanto, de fraudulentos contratos de honorários advocatícios como forma de remunerar, a preços vultosos, EDUARDO FILIPE ALVES MARTINS, não pela prestação dessa espécie de serviços, mas sim por uma pretensa e propalada influência sua no Superior Tribunal de Justiça, derivada de sua relação filial com o ministro desta Corte Superior, Humberto Martins".

Dentre os alvos da operação, estão os advogados Cristiano Zanin Martins, defensor do ex-presidente Lula, e Frederick Wassef, que defendia a família Bolsonaro. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email