Maia desafia Bolsonaro e afirma: ‘cabe ao Congresso decidir pela manutenção ou derrubada do veto’

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que ficou surpreso com o veto de Jair Bolsonaro ao repasse de R$ 8,6 bilhões para estados e municípios combaterem o novo coronavírus. Maia disse, em tom de desafio, que caberá ao Congresso aceitar ou não o veto

Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia
Jair Bolsonaro e Rodrigo Maia (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), citou a surpresa com o veto de Bolsonaro aos R$ 8,6 bi destinados a estados e municípios. Mas salientou que o Congresso tem a prerrogativa de votar pela manutenção ou pela derrubada do veto, abrindo mais um flanco de tensões entre parlamento e governo.

A reportagem do portal Uol destaca a fala de Maia: “a informação que eu tinha dos deputados é que havia ocorrido um acordo para a destinação desse recurso. (O veto) surpreendeu, pelo menos aos deputados que me mandaram mensagem hoje, o veto do governo. É direito do presidente, cabe ao parlamento chamar uma sessão do Congresso e decidir pela manutenção ou pela derrubada do veto.”

A matéria ainda acrescenta que “a medida, criada pelo Congresso, tinha como objetivo usar o valor para a compra de materiais para evitar a disseminação da covid-19 nos estados. O governo afirma que a proposta diverge do ato original da medida provisória sobre o tema. Além disso, também diz que a situação criaria uma despesa obrigatória sempre previsões de impacto nos próximos anos.”

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email