Maia prevê confronto com a justiça no caso de vetos de visitas a Lula

O presidente da câmara, deputado Rodrigo Maia, afirmou que o impedimento a parlamentares que queriam visitar Lula pode levar a um confronto na justiça; ele defendeu um diálogo preliminar entre deputados e a ministra Cármen Lúcia para que a prerrogativa da visita seja assegurada via constitucional

Brasília - Rodrigo Maia durante lançamento da Agenda Legislativa da Indústria, que lista as propostas de interesse de setor industrial em tramitação no Congresso Nacional (Antonio Cruz/Agência Brasil)
Brasília - Rodrigo Maia durante lançamento da Agenda Legislativa da Indústria, que lista as propostas de interesse de setor industrial em tramitação no Congresso Nacional (Antonio Cruz/Agência Brasil) (Foto: Gustavo Conde)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O presidente da câmara, deputado Rodrigo Maia, afirmou que o impedimento a parlamentares que queriam visitar Lula pode levar a um confronto na justiça. Ele defendeu um diálogo preliminar entre deputados e a ministra Cármen Lúcia para que a prerrogativa da visita seja assegurada via constitucional.

“O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, teme um confronto do parlamento com o Judiciário caso deputados queiram visitar Lula na prisão e sejam impedidos.

Ele argumentou com parlamentares que o melhor era estabelecer antes um diálogo informal com a presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia, para saber se o tribunal garantiria a prerrogativa dos deputados de entrarem na prisão.”

Veja mais aqui na coluna de Mônica Bergamo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247