Marco Aurélio manda para a PGR ação de advogado que pede prisão de Bolsonaro

O motivo do pedido de prisão de Jair Bolsonaro feito pelo advogado Rafael Duarte Moya, de Campinas, no interior de São Paulo, foi o pronunciamento na TV pedindo a reabertura do comércio mesmo com a epidemia do coronavírus

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio enviou para o vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, os pedidos de um advogado de Campinas, um deputado do PT, e da oposição no Congresso Nacional para enquadrar Jair Bolsonaro.

O advogado Rafael Duarte Moya, de Campinas, no interior de São Paulo, também requer a prisão preventiva de Bolsonaro, mas o ocupante do Planalto possui imunidade formal, que garante a ele a liberdade enquanto não houver sentença condenatória.

O motivo do pedido feito pelo advogado foi o pronunciamento de Bolsonaro pedindo a reabertura do comércio. "Ora Excelência, o Judiciário não pode permitir que o mandatário desrespeite as normas mais comezinhas de saúde pública e jogue a morte milhares ou milhões de brasileiros”, diz Moya. Os relatos foram publicados no blog do Fausto Macedo

Sete partidos de oposição ao governo federal (PT, PDT, PSB, PCdoB, PSOL, Rede e PCB) também entraram com uma notícia crime contra Bolsonaro por crime de prevaricação em razão de "editar Decreto, ato de ofício, apenas para satisfazer seu sentimento pessoal", em referência ao ato que incluiu igrejas e casas lotéricas entre serviços essenciais. Também atribuem incitação ao crime.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email