Ministro do TCU isenta Dilma no caso Pasadena

Relator José Jorge aceitou o argumento apresentado pela presidente Dilma Rousseff e defende que os conselheiros da Petrobras na época não sejam responsabilizados pelas irregularidades da compra da refinaria dos EUA; em contrapartida, ele sugere a punição de diretores da estatal, estimando um prejuízo de cerca de US$ 700 milhões (R$ 1,5 bilhão); relatório será votado nesta quarta-feira pelo plenário do tribunal

Relator José Jorge aceitou o argumento apresentado pela presidente Dilma Rousseff e defende que os conselheiros da Petrobras na época não sejam responsabilizados pelas irregularidades da compra da refinaria dos EUA; em contrapartida, ele sugere a punição de diretores da estatal, estimando um prejuízo de cerca de US$ 700 milhões (R$ 1,5 bilhão); relatório será votado nesta quarta-feira pelo plenário do tribunal
Relator José Jorge aceitou o argumento apresentado pela presidente Dilma Rousseff e defende que os conselheiros da Petrobras na época não sejam responsabilizados pelas irregularidades da compra da refinaria dos EUA; em contrapartida, ele sugere a punição de diretores da estatal, estimando um prejuízo de cerca de US$ 700 milhões (R$ 1,5 bilhão); relatório será votado nesta quarta-feira pelo plenário do tribunal (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 – O ministro José Jorge, relator do processo no TCU (Tribunal de Contas da União) sobre a compra da refinaria de Pasadena (EUA) pela Petrobras, defende que os conselheiros da empresa na época, entre eles a hoje presidente Dilma Rousseff, não sejam responsabilizados pelas irregularidades do caso.

O relatório, que deve ser votado nesta quarta-feira (23) pelo plenário do tribunal, sugere a punição de diretores da estatal, estimando um prejuízo de cerca de US$ 700 milhões (R$ 1,5 bilhão). Entre eles, estão os ex-diretores da área internacional Nestor Cerveró e de abastecimento Paulo Roberto Costa, preso em uma operação da Polícia Federal sob a suspeita de esquema de lavagem de dinheiro com o doleiro Alberto Youssef.

José Jorge aceitou o argumento apresentado pela presidente Dilma de que os conselheiros nos anos de 2006 e 2007 não foram informados pela diretoria de algumas cláusulas da compra.

Se a proposta do relator for aprovada, a presidente e outras nove pessoas (entre elas seis ministros e ex-ministros), que participaram das reuniões como conselheiros aprovando as transações, ficam isentas de punição.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email