MP-DF entra com nove ações contra Agnelo Queiroz por nepotismo

O Ministério Público do Distrito Federal entrou na Justiça com nove ações civis públicas contra o governador do DF, Agnelo Queiroz, por improbidade administrativa; segundo o ministério, a nomeação de pessoas com parentesco entre si para diversos cargos do Executivo local, o que configura prática de nepotismo; somadas as ações, a multa que o MP pede que seja aplicado ao governador é superior a R$ 2,5 milhões; a Secretaria de Comunicação do GDF afirmou que o governador "ainda não foi citado nos processos"

O Ministério Público do Distrito Federal entrou na Justiça com nove ações civis públicas contra o governador do DF, Agnelo Queiroz, por improbidade administrativa; segundo o ministério, a nomeação de pessoas com parentesco entre si para diversos cargos do Executivo local, o que configura prática de nepotismo; somadas as ações, a multa que o MP pede que seja aplicado ao governador é superior a R$ 2,5 milhões; a Secretaria de Comunicação do GDF afirmou que o governador "ainda não foi citado nos processos"
O Ministério Público do Distrito Federal entrou na Justiça com nove ações civis públicas contra o governador do DF, Agnelo Queiroz, por improbidade administrativa; segundo o ministério, a nomeação de pessoas com parentesco entre si para diversos cargos do Executivo local, o que configura prática de nepotismo; somadas as ações, a multa que o MP pede que seja aplicado ao governador é superior a R$ 2,5 milhões; a Secretaria de Comunicação do GDF afirmou que o governador "ainda não foi citado nos processos" (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasília 247 - O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) entrou na Justiça com nove ações civis públicas contra o governador do DF, Agnelo Queiroz (PT), por improbidade administrativa. Segundo o ministério, a nomeação de pessoas com parentesco entre si para diversos cargos do Executivo local, o que configura prática de nepotismo. Somadas as ações, a multa que o MP pede que seja aplicado ao governador é superior a R$ 2,5 milhões. A Secretaria de Comunicação do GDF afirmou que o governador "ainda não foi citado nos processos".

Em cada uma das peças jurídicas, três promotores pedem que Agnelo tenha os direitos políticos suspensos por cinco anos e pague multa no valor de 12 vezes o montante da remuneração como governador (R$ 23.449,55), além de ser firmar contratos com o Poder Público por três anos.

Segundo informações do G1, o MP informou que alertou o governador sobre as irregularidades e recebeu recomendação de exonerar os servidores. No entanto, segundo o ministério, o gestor ignorou os alertas.

"Mesmo sabedor da ilegalidade patente, Agnelo Queiroz menosprezou a Constituição Federal, desconsiderou a Recomendação emitida, descumpriu, dolosamente, o enunciado da Súmula Vinculante nº 13 do STF e permitiu a continuidade da situação vedada", dizem as ações movidas pelos promotores.

Caso Agnelo seja condenado em segunda instância, ou seja, por um grupo de juízes, poderá ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa e ficar inelegível por oito anos.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247