Número de homicídios registrados em abril é o menor dos últimos 12 anos

Os números de homicídios no Distrito Federal tiveram queda em abril deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado; no último mês, foram registrados 36 casos, contra 54 em 2016, o que indica redução de 33,3%; esse tipo de crime foi o que teve a maior diminuição entre os apresentados pela Secretaria da Segurança Pública; em série histórica, o número de homicídios computado em abril deste ano é o menor para esse mês nos últimos 12 anos

Os números de homicídios no Distrito Federal tiveram queda em abril deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado; no último mês, foram registrados 36 casos, contra 54 em 2016, o que indica redução de 33,3%; esse tipo de crime foi o que teve a maior diminuição entre os apresentados pela Secretaria da Segurança Pública; em série histórica, o número de homicídios computado em abril deste ano é o menor para esse mês nos últimos 12 anos
Os números de homicídios no Distrito Federal tiveram queda em abril deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado; no último mês, foram registrados 36 casos, contra 54 em 2016, o que indica redução de 33,3%; esse tipo de crime foi o que teve a maior diminuição entre os apresentados pela Secretaria da Segurança Pública; em série histórica, o número de homicídios computado em abril deste ano é o menor para esse mês nos últimos 12 anos (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasília - Os números de homicídios no Distrito Federal tiveram queda em abril deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado. No último mês, foram registrados 36 casos, contra 54 em 2016, o que indica redução de 33,3%. Esse tipo de crime foi o que teve a maior diminuição entre os apresentados nesta quinta-feira (11) pela Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social.

Em série histórica, o número de homicídios computado em abril deste ano é o menor para esse mês nos últimos 12 anos.

Homicídio, latrocínio (com 6 casos em 2016 e 2 em 2017) e lesão corporal seguida de morte (com 1 caso em abril de 2016 e nenhum em 2017) estão no grupo dos crimes violentos letais intencionais, cuja queda foi de 37,7% em abril, em relação ao mesmo período do ano passado.

Na análise do quadrimestre, essa variação é de 25,2%, com 242 casos nos primeiros quatro meses de 2016, e 181 no mesmo período deste ano.

O secretário da Segurança Pública e da Paz Social, Edval de Oliveira Novaes Júnior, atribui as quedas ao conjunto das forças de segurança envolvidas e ao “trabalho científico de avaliação da hora e do local do evento e onde o policiamento tem de ser aplicado e onde a investigação tem de ser feita”.

De acordo com o comandante-geral da Polícia Militar do Distrito Federal, coronel Marcos Antônio Nunes de Oliveira, 76% dos homicídios são praticados com arma de fogo.

Neste ano, já foram apreendidas 819 armas dos mais diversos calibres. “Como tem essa correlação muito forte entre arma de fogo e homicídio, esse é um dos motivos da redução dos homicídios”, disse Nunes, ao explicar que para cada tipo de crime há uma estratégia diferente.

A integração entre as forças também foi reforçada pelo diretor-geral da Polícia Civil do Distrito Federal, Eric Seba de Castro. Ele destacou o cumprimento de mandados de prisão preventiva. Apenas nesta semana, de acordo com ele, foram 34. “Isso impacta diretamente, porque são pessoas que estão sendo tiradas das ruas, que cometeriam crimes”, disse.

Crimes contra o patrimônio têm queda de 18,9% em abril

No que diz respeito aos crimes contra o patrimônio em abril, a queda foi de 18,9%. O crime com maior redução nesse grupo — e o segundo que teve a maior diminuição entre os apresentados hoje — foi o de roubo em comércio: – 32,7%, ou 82 casos a menos.

O furto em veículo aparece em seguida no grupo, com redução de 28,9%, ou 400 casos a menos em relação a 2016, quando foram 1.382. No caso dos roubos em residência, houve aumento de 13,5% em abril, em relação ao mesmo mês de 2016.

Já na análise do quadrimestre, a queda no grupo foi de 3,6%. Nesse cenário, a maior queda permanece nos casos de roubo em comércio (-35,3%). O aumento, no entanto, ficou por conta dos roubos em coletivo (13,3%).

Casos de estupro no DF

De acordo com a pasta da Segurança Pública, os casos de estupro apresentaram aumento em abril, passando de 58 no último ano para 77 mês passado. No quadrimestre, o aumento foi de 24,6%, com 195 ocorrências nos primeiros quatro meses de 2016 e 243 no mesmo período deste ano.

“É um crime que, na grande maioria das situações, acontece dentro das casas e, por isso, é de difícil prevenção por parte da polícia”, disse Novaes. “É uma modalidade que envolve inúmeros outros fatores além da segurança pública.”

Nesse contexto, foi ressaltado trabalho feito pelo programa Policiamento de Prevenção Orientado à Violência Doméstica, da Polícia Militar. Faz parte do projeto o acompanhamento por telefone e visitas em domicílio.

Atuação das corporações em abril de 2017

Ainda durante a entrevista coletiva, o diretor de Policiamento e de Fiscalização de Trânsito do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF), Glauber Peixoto, apresentou números de mortes no trânsito do DF.

De acordo com ele, foram 19 vítimas em abril deste ano, contra 44 em abril de 2016, o que representa redução de 57%. No acumulado de janeiro a abril, foram 73 mortes neste ano, e 115 no mesmo período do ano passado — redução de 36,5%. As ações voltadas à educação de trânsito somam 19 em abril deste ano, com público atendido de 16.967 pessoas.

O comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal, coronel Hamilton Santos Esteves Junior, destacou os números de produtividade da corporação. Foram feitos pela corporação 5.263 atendimentos diversos, a exemplo de atendimentos hospitalares e combate a incêndios urbanos e florestais.

Foram atendidas 178 mil pessoas em abril, em todas as ações da corporação. Hamilton também apresentou que, do atendimento feito pelos bombeiros a vítimas de trânsito, 98,83% dessas pessoas chegam com vida nos hospitais.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247