'País não admite conflito entre Câmara e Senado'

"Pode haver diferença pessoal entre o presidente da Câmara e do Senado. O que não pode haver — e não haverá, e o Brasil não permite — é a diferença das instituições, conflito entre a Câmara e o Senado. Isso não vai existir", afirmou nesta quinta-feira 13 o presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros (PMDB-AL), em referência a divergências entre ele e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, em relação ao Executivo; ele acrescentou que o Senado, com a apresentação da Agenda Brasil, sinaliza uma parceria em prol da retomada do crescimento do País; "A nossa parceria é com o Brasil"; mais cedo, Cunha afirmou que há muito "holofote" na relação entre a presidente Dilma e Renan; "Quero ver ação", provocou

"Pode haver diferença pessoal entre o presidente da Câmara e do Senado. O que não pode haver — e não haverá, e o Brasil não permite — é a diferença das instituições, conflito entre a Câmara e o Senado. Isso não vai existir", afirmou nesta quinta-feira 13 o presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros (PMDB-AL), em referência a divergências entre ele e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, em relação ao Executivo; ele acrescentou que o Senado, com a apresentação da Agenda Brasil, sinaliza uma parceria em prol da retomada do crescimento do País; "A nossa parceria é com o Brasil"; mais cedo, Cunha afirmou que há muito "holofote" na relação entre a presidente Dilma e Renan; "Quero ver ação", provocou
"Pode haver diferença pessoal entre o presidente da Câmara e do Senado. O que não pode haver — e não haverá, e o Brasil não permite — é a diferença das instituições, conflito entre a Câmara e o Senado. Isso não vai existir", afirmou nesta quinta-feira 13 o presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros (PMDB-AL), em referência a divergências entre ele e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, em relação ao Executivo; ele acrescentou que o Senado, com a apresentação da Agenda Brasil, sinaliza uma parceria em prol da retomada do crescimento do País; "A nossa parceria é com o Brasil"; mais cedo, Cunha afirmou que há muito "holofote" na relação entre a presidente Dilma e Renan; "Quero ver ação", provocou (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Senado - "Pode haver diferença pessoal entre o presidente da Câmara e do Senado. O que não pode haver — e não haverá, e o Brasil não permite — é a diferença das instituições, conflito entre a Câmara e o Senado. Isso não vai existir".

Foi o que disse nesta quinta-feira (13) o presidente do Senado, Renan Calheiros, ao ser perguntado sobre posturas divergentes entre ele e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, em relação ao Executivo.

Renan Calheiros, que recebeu quarta-feira (12) em seu gabinete os ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa, para debaterem a chamada Agenda Brasil, afirma que o Senado, com o gesto, sinaliza uma parceria em prol da retomada do crescimento do país.

— A nossa parceria é com o Brasil. É a defesa do interesse nacional. A Presidência do Senado é independente e o mais recomendável neste momento é usar essa isenção e independência para defender o interesse do Brasil — apontou.

Renan Calheiros deu entrevista após sessão de homenagem ao ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que morreu há um ano, vítima de um acidente aéreo. Renan Calheiros avalia que o principal problema do país hoje é a falta de equilíbrio fiscal.

— O Brasil não cabe mais no seu PIB [produto interno bruto]. E a cada momento, como se isso não estivesse sendo levado em consideração, nós estamos compatibilizando mais despesas, mais despesas, mais despesas. Isso significa mais crise econômica e mais dificuldade na política — disse o presidente do Senado.

Renan disse que a Agenda Brasil é o caminho para superar a crise. Segundo o presidente do Senado, a votação de projetos que têm convergência com essa agenda começa na próxima semana, com o projeto que dá fim à desoneração das folhas de pagamento de vários setores da economia (PLC 57/2015). Esse é o último projeto do ajuste fiscal proposto pelo Executivo, e sua votação abrirá caminho para matérias que já tramitam no Senado e têm ligação com os eixos principais da agenda. O cronograma deverá ser apresentado na segunda-feira (17).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email