Para Bia Kicis, civilização ocidental está em risco e os conservadores precisam se unir

"Olha o que está acontecendo nas igrejas católicas. A cristofobia denunciada por Bolsonaro na ONU e que muitos riram", afirmou a deputada Bia Kicis (PSL-DF). "Para ter paz é preciso que valores conservadores sejam respeitados"

Deputada federal Bia Kicis (PSL-DF)
Deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) (Foto: Pablo Valadares/Agência Câmara)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) afirmou que o campo progressista avança no mundo com muita agressividade aos valores judaicos-cristãos. "Olha o que está acontecendo nas igrejas católicas. A cristofobia denunciada por Bolsonaro na ONU e que muitos riram. Isso não é coisa de maluco, é coisa de quem enxerga o rumo para onde o mundo está caminhando", disse a parlamentar em entrevista à Jovem Pan. "Para ter paz é preciso que valores conservadores sejam respeitados".

A congressista deu exemplo de pautas como pró-vida, anti-drogas e contra a ideologia de gênero. "Isso é o básico. Muitas pautas vão impedir que nossas crianças sejam assediadas moralmente nas escolas. A gente manda o filho para escola e pensa que ele está seguro. Lá ele aprende que menino não nasce menino, que menina não nasce menina. A civilização ocidental está em risco e se os conservadores não se unirem, seremos tratorados", afirmou.

De acordo com a parlamentar, a frente conservadora não tem nada a ver com retrocessos - mas com a segurança jurídica. "O caso da ideologia de gênero é seríssimo. Eu proponho PL, relato, convivo com outras parlamentares que tem projetos para barrar ativismos. Uma das formas é criminalizar essa invasão de competência do outro Poder", continuou.

"O problema é o temor que muitos parlamentares tem no Supremo. É necessário impor limites, mas você escuta que não pode e que é perigoso. O STF é, sim, o último que fala quando ele cumpre a Constituição. Eu não respeito o STF quando ele não respeita o parlamento", acrescentou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247