PGR abre apuração para analisar conduta de Damares no caso de criança estuprada

A PGR abriu uma apuração para investigar se a ministra Damares Alves participou do movimento para tentar impedir que uma menina de 10 anos, vítima de estupro, fizesse a interrupção da gravidez

Damares Alves
Damares Alves (Foto: Isac Nóbrega/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Procuradoria-Geral da República (PGR) abriu uma apuração para investigar se a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, participou do movimento para tentar impedir que uma menina de 10 anos, vítima de estupro, fizesse a interrupção da gravidez.

A realização do aborto foi permitida pela Justiça. Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, Damares agiu nos bastidores para impedir o aborto. Para alguns parlamentares, isso configura crime de responsabilidade. Conforme a reportagem, ela queria transferir a menina para um hospital em Jacareí (SP) – onde seria realizado um parto.

Damares teria enviado representantes do ministério e aliados políticos ao Espírito Santo, para pressionar a equipe médica a não realizar a interrupção da gravidez. Além disso, assessores dela também teriam vazado dados da criança, como fez a ativista bolsonarista Sara Winter.

Durante live com Jair Bolsonaro nas redes sociais, Damares cogitou tirar a menina do controle dos pais. Na ocasião, ela afirmou que o governo vai proteger "essa menina em tudo que ela precisar", inclusive "saber se ela vai ficar melhor com a família ou em outro lugar"

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247