PGR abre averiguação sobre crítica de Gilmar Mendes a militares do governo

A averiguação é pré-investigatória e busca saber se houve crime na fala do ministro do Supremo Tribunal Federal que associa o Exército ao genocídio causado pelo governo na pandemia do coronavírus

Gilmar Mendes e Augusto Aras
Gilmar Mendes e Augusto Aras
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Procuradoria-Geral da República (PGR) abriu uma averiguação sobre a declaração do ministro Gilmar Mendes, segundo a CNN. Mendes relacionou o Exército com genocídio causado pela ingerência do governo Jair Bolsonaro durante a pandemia do coronavírus, que já causou mais de 75 mil mortes no País.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) pode ser intimado a se explicar. A abertura do procedimento pré-investigatório ocorreu após a representação movida pelo Ministério da Defesa que denuncia uma ofensa ao Exército e atribuiu a Gilmar Mendes crimes previstos na Lei de Segurança Nacional e no Código Penal Militar.

Gilmar Mendes afirmou em live transmitida pela TV 247 no sábado, 11, que  “o Exército está se associando a esse genocídio” causado pela ingerência do governo de Jair Bolsonaro contra pandemia e a ocupação militar do Ministério da Saúde, em secretarias e na chefia do órgão. Ele reforçou a crítica no domingo, 12, após um tweet pedindo que a presença dos militares seja revista

“Não me furto (...) a criticar a opção de ocupar o Ministério da Saúde predominantemente com militares. A política pública de saúde deve ser pensada e planejada por especialistas, dentro dos marcos constitucionais. Que isso seja revisto, para o bem das FAs e da saúde do Brasil”.

Em reação, os ministros militares divulgaram no início da tarde de segunda-feira, 13, uma nota de repúdio contra Gilmar Mendes. Assinam a nota o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, e os comandantes das três Forças, Edson Pujol (Exército), Ilques Barbosa (Marinha) e Antonio Carlos Moretti (Aeronáutica). Uma outra já havia sido publicada no fim de semana.
 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247