PGR quer anular votação que aprovou contas de ex-presidentes

 Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou um parecer ao  Supremo Tribunal Federal (STF) defendendo a anulação da votação da Câmara dos Deputados que aprovou as contas dos governos dos ex-presidentes da República Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva; Com a manifestação de Janot, o relator do processo, ministro Luís Roberto Barroso, relator do processo, deve começar a elaborar o voto sobre o mérito da questão; data do julgamento ainda não foi definida

 Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou um parecer ao  Supremo Tribunal Federal (STF) defendendo a anulação da votação da Câmara dos Deputados que aprovou as contas dos governos dos ex-presidentes da República Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva; Com a manifestação de Janot, o relator do processo, ministro Luís Roberto Barroso, relator do processo, deve começar a elaborar o voto sobre o mérito da questão; data do julgamento ainda não foi definida
 Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhou um parecer ao  Supremo Tribunal Federal (STF) defendendo a anulação da votação da Câmara dos Deputados que aprovou as contas dos governos dos ex-presidentes da República Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva; Com a manifestação de Janot, o relator do processo, ministro Luís Roberto Barroso, relator do processo, deve começar a elaborar o voto sobre o mérito da questão; data do julgamento ainda não foi definida (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

André Richter, repórter da Agência Brasil - Em parecer enviado hoje (15) ao Supremo Tribunal Federal (STF), o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, defendeu a anulação da votação na Câmara dos Deputados que aprovou, em agosto, as contas dos ex-presidentes da República Itamar Franco, Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva.

A manifestação do procurador foi inserida no mandado de segurança no qual o ministro Luís Roberto Barroso decidiu liminarmente que as contas do governo federal devem ser analisadas pelo Congresso Nacional.

Para Janot, a votação deve ser anulada porque cabe ao plenário do Congresso Nacional, em sessão conjunta da Câmara dos Deputados e do Senado, julgar as contas do governo.

"O constituinte reclama a atuação conjunta dos parlamentares representantes da população e dos Estados, na forma do Regimento Comum do Congresso Nacional, dada a relevância nacional da apresentação regular das contas da Presidência da República", justificou o procurador.

O julgamento das contas de ex-presidentes foi viabilizada pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ, para limpar a pauta e abrir caminho para a votação das contas do governo da presidenta Dilma Rousseff.

Com a manifestação de Janot, o ministro Barroso, relator do processo, deve começar a elaborar seu voto de mérito sobre a questão.  A data do julgamento não foi definida.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email