Pimenta: "Quem precisa ir urgente para a cadeia é Moro"

Líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta, reagiu com indignação ao pedido de prisão da ex-presidente Dilma Rousseff, feito pela Polícia Federal. "Sergio Moro continua no seu papel de Himmler de Bolsonaro. Transformou a Polícia Federal numa Gestapo e tentou prender a presidenta @dilmabr para seguir seu plano de eliminar a oposição"

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta, reagiu com indignação à informação de que a Polícia Federal pediu a prisão da ex-presidente Dilma Rousseff, pedido negado pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). 

"Sergio Moro continua no seu papel de Himmler de Bolsonaro. Transformou a Polícia Federal numa Gestapo e tentou prender a presidenta @dilmabr para seguir seu plano de eliminar a oposição. O Brasil NÃO vive uma democracia plena. Quem precisa ir urgente para a cadeia é Moro!", afirmou Pimenta pelo Twitter. 

Ao autorizar a nova fase da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, o ministro Edson Fachin negou pedidos da Polícia Federal para prender a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), o ex-presidente do Senado Eunício Oliveira (MDB), o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega (PT) e o ministro do Tribunal de Contas da União Vital do Rego.

O pedido da PF de Sergio Moro, ministro da Justiça do governo de Jair Bolsonaro, foi feito um dia antes do megaleilão da cessão onerosa do pré-sal, que pode gerar perda de mais de US$ 300 bilhões ao País, de acordo com estudo dos engenheiros da Petrobrás (leia mais no Brasil 247).

Em resposta, a ex-presidente Dilma Rousseff responsabilizou o próprio Sérgio Moro pela investida contra ela. "É estarrecedora a notícia de que a Polícia Federal pediu a prisão da ex-presidenta Dilma Rousseff num processo no qual ela não é investigada e nunca foi chamada a prestar qualquer esclarecimento", disse Dilma por meio de sua assessoria de imprensa (leia mais no Brasil 247). 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247