Polícia Civil: Sindicatos sinalizam que aceitam negociar acordo

Há mais de três meses em greve para reivindicar um aumento salarial de 37%, os policiais civis de Brasília, por meio de seus sindicatos, têm dado sinais de que aceitam conversar para negociar um acordo, diante da constante negativa do governador Rodrigo Rollemberg em realizar o reajuste, por falta de recursos; a categoria também se aflige com a demora do Senado em aprovar o reajuste dos policiais federais, uma vez que o principal argumento da paralisação é a equiparação de salários entre as duas carreiras

Brasília - Policiais Civis do Distrito Federal em greve protestam no estacionamento do estádio Mané Garrincha (Wilson Dias/Agência Brasil)
Brasília - Policiais Civis do Distrito Federal em greve protestam no estacionamento do estádio Mané Garrincha (Wilson Dias/Agência Brasil) (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasília 247 - Os sindicatos da Polícia Civil do Distrito Federal têm dado sinais de que aceitam conversar para negociar um acordo, diante da constante negativa do governador Rodrigo Rollemberg em aceitar o reivindicado reajuste salarial de 37%, informa o jornalista Hélio Doyle, em sua coluna desta quinta-feira 10 no Jornal de Brasília.

Rollemberg nega o reajuste, alegando falta de recursos. Os policiais civis estão em greve há mais de três meses, prejudicando serviços essenciais na capital federal.

A categoria também se aflige com a demora do Senado em aprovar o reajuste dos policiais federais, uma vez que o principal argumento da paralisação é a equiparação de salários entre as duas carreiras. Se o projeto for rejeitado, como vem sendo ventilado, para livrar Michel Temer da necessidade do veto, os agentes do DF precisarão de "uma saída honrosa", afirma Doyle.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247