Por R$ 1,652 bilhão, Dario Messer é procurado pela Operação Câmbio, Desligo

Alberto Youssef descreveu Dario Messer como o “doleiro dos doleiros”, um dos cindo maiores do Brasil; no caso de Messes, o ‘talento’ vem de berço: seu pai, o polonês Mordko Messer, foi o pioneiro no empreendimento. Mordko, já falecido, é conhecido como o primeiro doleiro do Brasil; figura conhecida em investigações de lavagem de dinheiro desde o início dos anos 2000, do escândalo do Banestado até o Swissleaks, Dario Messer anos se tornou principal alvo da operação "Câmbio, Desligo" da Polícia Federal, deflagrada na manhã desta quinta-feira

Alberto Youssef descreveu Dario Messer como o “doleiro dos doleiros”, um dos cindo maiores do Brasil; no caso de Messes, o ‘talento’ vem de berço: seu pai, o polonês Mordko Messer, foi o pioneiro no empreendimento. Mordko, já falecido, é conhecido como o primeiro doleiro do Brasil; figura conhecida em investigações de lavagem de dinheiro desde o início dos anos 2000, do escândalo do Banestado até o Swissleaks, Dario Messer anos se tornou principal alvo da operação "Câmbio, Desligo" da Polícia Federal, deflagrada na manhã desta quinta-feira
Alberto Youssef descreveu Dario Messer como o “doleiro dos doleiros”, um dos cindo maiores do Brasil; no caso de Messes, o ‘talento’ vem de berço: seu pai, o polonês Mordko Messer, foi o pioneiro no empreendimento. Mordko, já falecido, é conhecido como o primeiro doleiro do Brasil; figura conhecida em investigações de lavagem de dinheiro desde o início dos anos 2000, do escândalo do Banestado até o Swissleaks, Dario Messer anos se tornou principal alvo da operação "Câmbio, Desligo" da Polícia Federal, deflagrada na manhã desta quinta-feira (Foto: Gustavo Conde)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Alberto Youssef descreveu Dario Messer como o “doleiro dos doleiros”, um dos cindo maiores do Brasil. No caso de Messes, o ‘talento’ vem de berço: seu pai, o polonês Mordko Messer, foi o pioneiro no empreendimento. Mordko, já falecido, é conhecido como o primeiro doleiro do Brasil. Figura conhecida em investigações de lavagem de dinheiro desde o início dos anos 2000, do escândalo do Banestado até o Swissleaks, Dario Messer anos se tornou principal alvo da operação "Câmbio, Desligo" da Polícia Federal, deflagrada na manhã desta quinta-feira.

Acredita-se que Messer esteja no Paraguai. A polícia não o encontrou em sua casa no Rio – e seu nome foi para a lista de procurados da Interpol.

A cifra que levou Messer a receber um mandado de prisão é de US$ 1,652 bilhão. O relatório do Ministério Público Federal (MPF), aponta que Dario é o sócio-capitalista do negócio e detém 60% dos lucros. O codinome Cagarras, era por conta de sua cobertura na avenida Delfim Moreira, no Leblon, com vista para as famosas ilhas.

“Messer está acostumado a desviar-se de possíveis ameaças. Em 2009, recebeu um mandado de prisão na operação "Sexta-feira Treze", que investigou lavagem de dinheiro, mas não foi encontrado. Sua mulher, a designer de joias Rosane Messer, também foi acusada e chegou a ser presa. Anos mais tarde, assim que deflagrada a operação Lava-Jato, mudou-se para o Paraguai. Ele mantém relações estreitas com o atual presidente, Horacio Cartes, que assim como a família Messer, já teve um negócio de câmbio de moedas e chegou a fundar o banco Amambay. Segundo dados revelados pelo Wikileaks em 2010, Cartes é investigado por lavagem de dinheiro.”

Leia mais aqui.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247