Porta-voz acusou Glenn de crime que não existe no Brasil

"À luz das leis brasileiras, mesmo que tenham sido obtidas por hacker, o editor-chefe do The Intercept Brasil, Glenn Greenwald não cometeu crime algum ao divulgar as mensagens dos procurador da Lava Jato, envolvendo o então juiz Sergio Moro", aponta reportagem do GGN

Octavio Rego Barros
Octavio Rego Barros (Foto: Wilson Dias / Agência Brasil)

Jornal GGN – O inciso XIV do art. 5º da Constituição Federal garante o sigilo da fonte jornalística. Portanto, a luz das leis brasileiras, mesmo que tenham sido obtidas por hacker, o editor-chefe do The Intercept Brasil, Glenn Greenwald não cometeu crime algum ao divulgar as mensagens dos procurador da Lava Jato, envolvendo o então juiz Sergio Moro.

Apesar desse fato, o presidente Jair Bolsonaro declarou nesta segunda-feira (29), que Greenwald infringiu as leis. “No meu entender, ele [Glenn] cometeu um crime. Em qualquer outro país, ele estaria já em uma outra situação. Espere que a Polícia Federal chegue realmente, ligue os pontos todos”, disse sem definir o crime.

No mesmo dia, durante uma coletiva à imprensa, o porta-voz da Presidência, Otávio Rego Barros, voltou a afirmar que o editor do Intercept cometeu um crime.

Leia a íntegra no GGN

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247