Porta-voz lista motivos para Bolsonaro fazer de seu filho embaixador

Entre outros requisitos, Eduardo teria “acesso facilitado” ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, além de ter a “total confiança” de Bolsonaro

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

BRASÍLIA (Reuters) - O porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, disse nesta segunda-feira que o presidente Jair Bolsonaro ainda avalia a indicação de seu filho Eduardo Bolsonaro para a embaixada brasileira em Washington, e defendeu que a indicação é “legalmente viável”. 

Ao ser questionado sobre se o presidente já teria tomado uma decisão, o porta-voz leu um texto preparado pela Presidência em que são apontadas as razões para uma possível indicação do deputado federal para a embaixada. 

Entre outros requisitos, Eduardo teria “acesso facilitado” ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, além de ter a “total confiança” de Bolsonaro. 

Na manhã desta segunda, o presidente divulgou um vídeo de sua visita a Washington, em que Trump elogia Eduardo. 

Rêgo Barros disse ainda que o filho do presidente teria outras qualidades para o cargo, como comandar a Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados, ser “conhecedor de relações internacionais”, ter “acompanhado comitivas do governo” em viagens internacionais, além de ter “internalizado os princípios da atual política externa do Brasil”. 

Na manhã desta segunda, Bolsonaro já havia defendido a indicação do filho, afirmando que se estava sendo tão criticada era porque Eduardo é a pessoa “adequada”. 

Reportagem de Lisandra Paraguassu

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247