Presídio na Papuda será o 1° com ala para extradição

O presídio federal em construção no Complexo da Papuda, em Brasília, terá 26 celas apenas para este grupo; segundo previsões oficiais, as obras serão concluídas em setembro; um dos extraditados mais famosos é o ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado no processo do 'mensalão'; ele foi transferido da Itália para cumprir pena na capital federal, onde continua preso

O presídio federal em construção no Complexo da Papuda, em Brasília, terá 26 celas apenas para este grupo; segundo previsões oficiais, as obras serão concluídas em setembro; um dos extraditados mais famosos é o ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado no processo do 'mensalão'; ele foi transferido da Itália para cumprir pena na capital federal, onde continua preso
O presídio federal em construção no Complexo da Papuda, em Brasília, terá 26 celas apenas para este grupo; segundo previsões oficiais, as obras serão concluídas em setembro; um dos extraditados mais famosos é o ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado no processo do 'mensalão'; ele foi transferido da Itália para cumprir pena na capital federal, onde continua preso (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasília 247- O presídio federal em construção no Complexo da Papuda, em Brasília, será o primeiro do País a ter uma ala especial para extraditados e extraditáveis. Ao todo, serão 26 celas apenas para este grupo. Segundo previsões oficiais, as obras serão concluídas em setembro. O dirigente afirmou que presos de facções criminosas detidos em outros estados devem ser transferidos para a Papuda, mas descartou o risco de que estas facções criminosas se consolidem em Brasília, porque os apenados ficarão isolados e transferidos periodicamente entre as cinco penitenciárias federais que estarão em funcionamento.

De acordo com o diretor-geral do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Marco Antonio Severo, todo o presídio federal poderá abrigar 208 detidos. A obra custou R$ 40 milhões e está atrasada em nove meses porque por causa da falência da empresa que estava à frente da construção.

Conforme tratados internacionais, o Brasil deve manter penitenciárias com o mesmo padrão de qualidade dos países dos presos estrangeiros, à disposição da Interpol. O País mantém acordos de extradição com o Mercosul e mais 33 países.

Um dos extraditados mais famosos é o ex-diretor do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado no processo do 'mensalão'. Ele foi transferido da Itália para cumprir pena na capital federal, onde continua preso.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247