Propina na PM-DF envolvia contratos de manutenção

A Operação Mamon, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), tem como foco de investigação os contratos relacionados à manutenção e compra de viaturas da Polícia Militar; um deles trata da aquisição de 315 veículos modelo ASX, da Mitsubishi, cada um no valor de R$ 124,3 mil, totalizando R$ 39,1 milhões

A Operação Mamon, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), tem como foco de investigação os contratos relacionados à manutenção e compra de viaturas da Polícia Militar; um deles trata da aquisição de 315 veículos modelo ASX, da Mitsubishi, cada um no valor de R$ 124,3 mil, totalizando R$ 39,1 milhões
A Operação Mamon, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), tem como foco de investigação os contratos relacionados à manutenção e compra de viaturas da Polícia Militar; um deles trata da aquisição de 315 veículos modelo ASX, da Mitsubishi, cada um no valor de R$ 124,3 mil, totalizando R$ 39,1 milhões (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasília 247 - A Operação Mamon, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), tem como foco de investigação os contratos relacionados à manutenção e compra de viaturas da Polícia Militar. Um deles trata da aquisição de 315 veículos modelo ASX, da Mitsubishi, cada um no valor de R$ 124,3 mil, totalizando R$ 39,1 milhões.

De acordo com promotores da Justiça Militar (PJM), do Centro de Informações (CI) e do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), existem suspeitas de licitações que podem ter sido direcionadas e propinas cobradas em troca do pagamento das notas de serviço.

As investigações apontaram que os responsáveis pelos pagamentos no Departamento de Logística e Finanças (DLF) da Polícia Militar não fiscalizavam o esquema que envolvia a manutenção das viaturas modelo Pajero. Peças dos veículos, que deveriam ser trocadas, não substituídas, apesar de os pagamentos serem feitos. Existem sinais de que o esquema teria se perpetuado nos últimos cinco anos, sempre beneficiando oficiais do DLF.

Além do DLF, os promotores cumpriram mandado de busca e apreensão na casa do coronel Francisco Feitosa, em Vicente Pires. Ele é suspeito de cobrar propina para a liberação dos valores devidos pela corporação aos serviços prestados por empresários.

Segundo o Metrópoles, outros militares lotados no departamento são alvo da operação. A operação foi batizada de Mamon, termo derivado da Bíblia, usado para descrever a cobiça.

 

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247