Proposta para aprovar novo auxílio prevê congelamento de gastos com salários e contratações

A proposta do senador Marcio Bittar (MDB) é que os governos federal, estaduais e municipais não poderiam aumentar salários ou realizar novas contratações - e que isso seja fixado na Constituição para os próximos anos

Marcio Bittar
Marcio Bittar (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O senador Marcio Bittar (MDB) entregou ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM), o relatório da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) para realizar o novo auxílio emergencial. A discussão sobre o tema deve ocorrer na próxima quinta-feira, 25, no Senado. Novo auxílio emergencial deve ter quatro parcelas de R$ 250.

O relator disse, em entrevista ao Estadão/Broadcast Político, antecipou uma forma para congelar despesas. A proposta é que os governos federal, estaduais e municipais não poderiam aumentar salários ou realizar novas contratações - e que isso seja fixado na Constituição para os próximos anos.

Ficou fora do relatório, entretanto, a possibilidade de redução de salário e jornada de trabalho no funcionalismo público, como era a ideia original. Segundo Bittar, o item era polêmico e retirá-lo facilitará a aprovação da nova proposta.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email