Renan vai dar início à análise de parecer do TCU

Para que seja aberto caminho para análise das contas pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso, o presidente do Senado precisa ler o parecer do TCU em uma sessão no plenário da Casa; Renan disse que iria despachar nesta terça-feira 20 o parecer

Para que seja aberto caminho para análise das contas pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso, o presidente do Senado precisa ler o parecer do TCU em uma sessão no plenário da Casa; Renan disse que iria despachar nesta terça-feira 20 o parecer
Para que seja aberto caminho para análise das contas pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso, o presidente do Senado precisa ler o parecer do TCU em uma sessão no plenário da Casa; Renan disse que iria despachar nesta terça-feira 20 o parecer (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Karine Melo - Repórter da Agência Brasil

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse que vai despachar hoje (20) o parecer do Tribunal de Contas da União (TCU), que recomendou no último dia 7, por unanimidade, a rejeição das contas de 2014 do governo da presidenta Dilma Rousseff. Para que seja aberto caminho para análise das contas pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso, Renan precisa ler o parecer do TCU em uma sessão no plenário do Senado.

Na CMO, será designado um relator que elaborará um parecer sobre as conclusões do TCU. Após a votação na comissão, os plenários da Câmara e do Senado terão que apreciar a matéria. Tradicionalmente há um revezamento entre as duas Casas, mas, por enquanto, não há definição sobre qual delas analisará primeiro as contas.

Perguntado sobre a demora para dar andamento à apreciação das contas, que já poderia ter sido feita desde o último dia 14, Renan minimizou a demora. "Isso estava sendo processado e hoje eu darei o despacho definitivo", afirmou.

Medidas provisórias

O presidente do Senado também informou que, a partir de agora, o Senado vai analisar a pertinência temática de medidas provisórias. "Da mesma forma que nós decidimos sobre os pressupostos de constitucionalidade, nós decidiremos sobre a pertinência temática [das MPs]. Se pode ou não pode tratar naquele momento daquela questão", explicou.

Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) considerou inconstitucionais manobras parlamentares conhecidas como "contrabando legislativo" ou "jabutis" – a inclusão de emendas que não têm relação com o assunto do texto original – em medidas provisórias enviadas ao Congresso Nacional pela Presidência da República. O entendimento passa a valer a partir de agora e não afeta as medidas que foram convertidas em lei com base no procedimento proibido pelo Supremo.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email