‘Se projeto da Previdência for aprovado Brasília não terá mais crise’

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, afirmou que, se o projeto de lei para unificar os fundos de previdência dos servidores públicos à Câmara Legislativa do Distrito Federal, "for aprovado, Brasília não ouvirá mais a palavra crise [instaurada no DF desde 2015]"; a Casa deve votar o proposta até a próxima terça (29)

O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, afirmou que, se o projeto de lei para unificar os fundos de previdência dos servidores públicos à Câmara Legislativa do Distrito Federal, "for aprovado, Brasília não ouvirá mais a palavra crise [instaurada no DF desde 2015]"; a Casa deve votar o proposta até a próxima terça (29)
O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, afirmou que, se o projeto de lei para unificar os fundos de previdência dos servidores públicos à Câmara Legislativa do Distrito Federal, "for aprovado, Brasília não ouvirá mais a palavra crise [instaurada no DF desde 2015]"; a Casa deve votar o proposta até a próxima terça (29) (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Brasília 247 - O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, afirmou que, se o projeto de lei para unificar os fundos de previdência dos servidores públicos à Câmara Legislativa do Distrito Federal, "for aprovado, Brasília não ouvirá mais a palavra crise [instaurada no DF desde 2015]". A Casa deve votar o proposta até a próxima terça (29).

Entre as propostas presentes no projeto de lei, está o limite da aposentadoria para os servidores que ingressarem no funcionalismo público após a aprovação do texto-base. A medida tem como objetivo fazer com que os pagamentos das aposentadorias cheguem apenas até o teto (R$ 5.531), e evitar que o governo tenha que arcar "cobrindo o rombo da Previdência".

Segundo o executivo, atualmente são pagos R$ 170 milhões por mês para suprir o déficit do Iprev.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247