STF começa a julgar parcialidade de Moro nesta sexta

Os requerimentos da defesa estão relacionados ao processos do sítio de Atibaia e do terreno para a suposta construção do Instituto Lula. O julgamento desta sexta será virtual, informa o jornal GGN

(Foto: Ag. Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Jornal GGN – O Supremo Tribunal Federal (STF) julgara o ex-juiz e atual ministro Sergio Moro sobre a condução dos processos contra o ex-presidente Luiz Inacio Lula da Silva. Ao todo serão 3 pedidos para considerar Moro suspeito de ter julgado Lula, que serão analisados virtualmente a partir desta sexta-feira (16), e outro julgamento presencial está marcado para o dia 27 de agosto.

Nos julgamentos virtuais, o ministro relator Edson Fachin publica o seu voto na plataforma online do STF nesta sexta e, a partir de então, os demais ministros da Segunda Turma da Corte também vão publicando seus votos, no prazo estipulado até a próxima quinta-feira (22).

Caso um dos ministros solicite “destaque” do caso, o julgamento é levado para a discussão em plenário presencial, o que tampouco há data estimada, caso ocorra.

Nos pedidos, a defesa de Lula argumenta que Moro é suspeito para julgar o ex-presidente, tanto no caso relacionado ao terreno para o Instituto Lula, na qual a acusação é de um suposto repasse de propina pela Odebrecht, quanto no processo do sitio de Atibaia, no qual Lula foi acusado de receber propina por reformas no local, cuja propriedade – da mesma forma que o triplex – é atribuída ao ex-presidente.

Leia a íntegra no jornal GGN

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email