Táxis cobrarão bandeira 2 durante a Copa

Com isso, corridas ficarão mais 27% mais caras; motoristas terão que afixar adesivos informativos nos veículos e deverão alertar os passageiros com antecedência. A medida deverá vigorar de 10 de junho a 15 de julho desde ano

Brasília - Taxistas autonômos fazem manifestação em frente ao Palácio do Buriti, por novas concessões e para que o governo reconheça a categoria de motoristas que alugam taxis. GDF prepara licitação de 646 novas concessões ainda este semestre.
Brasília - Taxistas autonômos fazem manifestação em frente ao Palácio do Buriti, por novas concessões e para que o governo reconheça a categoria de motoristas que alugam taxis. GDF prepara licitação de 646 novas concessões ainda este semestre. (Foto: Leonardo Araújo)

Brasília 247 - O governador Agnelo Queiroz encaminhou à Câmara Legislativa, em caráter de urgência, um projeto de lei que autoriza a aplicação de bandeira 2 para todas as corridas de táxi no Distrito Federal durante a Copa do Mundo. Com isso, o preço das viagens sobe aproximadamente 27%. Na bandeira 1, o quilômetro rodado custa R$ 2,22, enquanto, na mais cara, sai por R$ 2,82.

De acordo com o GDF, a medida atende a um pedido feito pelo Sindicato dos Permissionários de Táxis e Motoristas Auxiliares, que alega querer minimizar as perdas que a categoria vem sofrendo no decorrer do ano, já que os estudos sobre reajuste das tarifas não foram concluídos. A última alteração aconteceu em março do ano passado. Se aprovado o projeto de lei, a cobrança valerá entre 10 de junho e 15 de julho deste ano. Além disso, os taxistas terão que afixar adesivos nos veículos informando a cobrança da bandeira 2 e deverão alertar os passageiros sobre a condição diferenciada assim que eles entrarem no táxi.

Recentemente, o GDF sancionou a nova Lei dos Taxistas (Lei 5.323/2014), que autoriza a matrícula de um terceiro motorista em cada táxi. Com isso, a equipe para dirigir o veículo poderá ter um permissionário e dois motoristas auxiliares. Atualmente, a frota de táxis do Distrito Federal tem 3,4 mil veículos que transitam durante 16 horas por dia, com dois motoristas. Com o acréscimo desse terceiro motorista, o veículo poderá circular 24 horas. "Com mais um motorista, o táxi poderá rodar as 24 horas do dia, em três turnos, sem sobrecarregar o taxista. O objetivo da lei foi atender a demanda durante a Copa, mas o terceiro motorista auxiliar permanecerá após o Mundial", ressaltou o subsecretário de Transporte Coletivo e Individual, Ronaldo Persiano.

 

Conheça a TV 247

Mais de Brasília

Ao vivo na TV 247 Youtube 247