Temer contrata mais servidores do que pretende desligar com PDV

O governo Michel Temer tem sido caracterizado por envolvimento em supostos crimes e imensas contradições entre o prometido e o que tem sido efetivamente entregue; em um caso concreto, por exemplo, foi ter anunciado um PDV para reduzir os gastos com a máquina pública e o que se sabe agora é que o governo federal contratou 7.089 servidores a mais do que desligou entre o final de janeiro e o final de julho deste ano

O governo Michel Temer tem sido caracterizado por envolvimento em supostos crimes e imensas contradições entre o prometido e o que tem sido efetivamente entregue; em um caso concreto, por exemplo, foi ter anunciado um PDV para reduzir os gastos com a máquina pública e o que se sabe agora é que o governo federal contratou 7.089 servidores a mais do que desligou entre o final de janeiro e o final de julho deste ano
O governo Michel Temer tem sido caracterizado por envolvimento em supostos crimes e imensas contradições entre o prometido e o que tem sido efetivamente entregue; em um caso concreto, por exemplo, foi ter anunciado um PDV para reduzir os gastos com a máquina pública e o que se sabe agora é que o governo federal contratou 7.089 servidores a mais do que desligou entre o final de janeiro e o final de julho deste ano (Foto: Voney Malta)

Brasília 247 – Contradição é uma das marcas históricas do governo Michel Temer. Primeiro prometia que a sua ascensão ao poder tiraria o País da crise econômica. Mas o que ocorreu foi exatamente o contrário. Agora, embora tenha anunciado um programa de Desligamento Voluntário (PDV) com o objetivo de redução dos gastos da máquina pública, o que se sabe é que mais servidores foram contratados.

A expectativa de adesão ao PDV era de cerca de 5 mil servidores. No entanto, segundo dados do Ministério do Planejamento, o governo Michel Temer contratou 7.089 servidores a mais do que desligou entre o final de janeiro e o final de julho deste ano.

Porém, o Ministério do Planejamento afirma que não há incoerência em relação ao ajuste fiscal do governo, segundo reportagem de Alexandro Martello, do G1 (leia aqui na íntegra).

 

 

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247