Trabalhadores são impedidos de entrar na Câmara durante votação da reforma

Enquanto os deputados debatiam e iniciavam o processo de votação do texto-base da reforma da Previdência, trabalhadores eram impedidos pela Polícia Legislativa de ingressar na Câmara para acompanhar a discussão de destaques do projeto e dar apoio à oposição, que tentava obstruir os trabalhos; assista

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Enquanto os deputados debatiam e iniciavam o processo de votação do texto-base da reforma da Previdência, trabalhadores eram impedidos pela Polícia Legislativa de ingressar na Câmara para acompanhar a discussão de destaques do projeto e dar apoio à oposição, que tentava obstruir os trabalhos. 

Para conter os manifestantes, em sua maioria mulheres ligadas à educação, as forças policiais usaram de truculência. Chegaram a utilizar spray de pimenta contra os trabalhadores que, pacificamente, entoam gritos contra o projeto bolsonarista. “Não é mole não, tem dinheiro pra milícia mas não tem pra Educação”, cantavam.

O presidente do STF, ministro Dias Toffoli, concedeu duas liminares para garantir que oito pessoas pudessem acompanhar as discussões na Câmara. As liminares autorizam um grupo representante do Sindicato Nacional dos Servidores do Ministério Público da União e do Conselho Nacional do Ministério Público a ocupar as galerias, especificamente os espaços abertos ao público, para acompanhar a votação.

Com informações da Rede Brasil Atual


O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247