"Vou perguntar", diz Bia Kicis sobre os R$ 89 mil de Queiroz para Michelle Bolsonaro

A deputada federal bolsonarista Bia Kicis (PSL-DF) preferiu se esquivar do questionamento sobre os R$ 89 mil depositados por Fabrício Queiroz e pela mulher dele, Márcia Aguiar, nas contas de Michelle Bolsonaro. "Vou perguntar", respondeu ela, durante o desfile de 7 de setembro

Deputada federal Bia Kicis (PSL-DF)
Deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) (Foto: Pablo Valadares/Agência Câmara)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A deputada federal bolsonarista Bia Kicis (PSL-DF) foi questionado sobre os R$ 89 mil depositados por Fabrício Queiroz e pela mulher dele, Márcia Aguiar, nas contas de Michelle Bolsonaro. "Vou perguntar", respondeu ela, durante o desfile de 7 de setembro. 

Em maio, a parlamentar e mais sete deputados bolsonaristas foram alvos de mandatos de busca e apreensão da Polícia Federal no âmbito das investigações sobre a disseminação de fake news. 

ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Queiroz depositou 21 cheques na conta de Michelle, entre 2011 a 2016, totalizando R$ 72 mil. Márcia Aguiar depositou outros seis, totalizando R$ 17 mil.

Queiroz foi preso no dia 18 de junho em Atibaia (SP), onde estava escondido em um imóvel que pertence a Frederick Wassef, então advogado de Flávio - depois ele deixou a defesa do parlamentar. 

O ex-assessor é investigado por envolvimento em um esquema de "rachadinha" que ocorria na Assembleia Legislativa do Rio - o filho de Jair Bolsonaro era deputado estadual antes de ser eleito para o Senado. 

Segundo relatório do antigo Conselho de Atividades Financeiras (Coaf), Queiroz fez movimentações financeiras atípicas. Foram R$ 7 milhões de 2014 a 2017, apontaram cálculos do órgão. 

O juiz Flávio Itabaiana Nicolau, da 27ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), também citou mensagens de Márcia Aguiar que chegou a comparar o marido com um bandido "que tá preso dando ordens aqui fora, resolvendo tudo". Uma das testemunhas que deixaram de ser ouvidas foi Danielle Nóbrega, ex-mulher do capitão do Bope, Adriano Nóbrega, miliciano morto no começo deste ano pela polícia na Bahia e que era ligado à família Bolsonaro.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email