CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ajuda anunciada por Bolsonaro é 'ridícula' e viagem dele à Bahia foi 'para fazer campanha', diz governador

"Infelizmente, vivemos no Brasil várias tragédias seguidas. A maior tragédia é a gestão do presidente. Bolsonaro não tem nenhum sentimento de humanidade, de empatia", disse o governador Rui Costa

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

247 - O governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou nesta segunda-feira 13 que a viagem que Jair Bolsonaro fez ao estado neste final de semana sob a alegação de ajudar a região do sul do estado, fortemente atingida pelas chuvas, não passou de um “ato de campanha”. Ainda segundo ele, o anúncio da liberação de recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para as famílias afetadas foi uma medida “ridícula”. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Foi um ato político de campanha, fazendo carreata na cidade de Itamaraju e agredindo jornalistas. Infelizmente, vivemos no Brasil várias tragédias seguidas. A maior tragédia é a gestão do presidente. Bolsonaro não tem nenhum sentimento de humanidade, de empatia”, disse Costa em entrevista ao UOL

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Se não fosse trágico, era piada. FGTS pertence ao cidadão. O que ele está liberando é dinheiro do cidadão. E R$ 5 milhões  para todas as cidades? É ridículo em termos de anúncio de um presidente”, completou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 Ainda segundo o governador, a única ajuda que o estado recebeu de forma efetiva foram dois helicópteros enviados pela Marinha para auxiliar no resgate de moradores da região afetada pelas chuvas, além de atuarem na entrega e distribuição de mantimentos. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ao visitar a região neste final de semana, Bolsonaro tentou associar a tragédia às medidas de distanciamento social adotadas por governadores e prefeitos para conter o avanço da Covid-19. “Também tivemos uma catástrofe no ano passado, quando muitos governadores – e o pessoal da Bahia – fecharam todo o comércio e obrigaram o povo a ficar em casa. Povo, em grande parte [trabalhadores] informais, condenados a morrer de fome”. Em resposta, Costa disse que não tinha tempo a perder com politicagem barata

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE