Andrea Murad: 'vamos à Justiça para barrar CPI'

Parece despropositado o esbravejo da deputada Andrea Murad (PMDB), na tribuna da Assembleia Legislativa contra a CPI da Saúde; Andrea disse ter a certeza de que consegue derrubar na Justiça a CPI. "V. Exas, vão investigar de 2009 a 2014, não sei quando, porque essa [CPI] vai ser, vamos entrar na justiça para derrubar até V. Exas fazerem uma direito", disse; "Isso aqui é uma revolta mesmo de uma parlamentar que foi eleita legitimamente pelo povo, legitimamente pelo povo"

Parece despropositado o esbravejo da deputada Andrea Murad (PMDB), na tribuna da Assembleia Legislativa contra a CPI da Saúde; Andrea disse ter a certeza de que consegue derrubar na Justiça a CPI. "V. Exas, vão investigar de 2009 a 2014, não sei quando, porque essa [CPI] vai ser, vamos entrar na justiça para derrubar até V. Exas fazerem uma direito", disse; "Isso aqui é uma revolta mesmo de uma parlamentar que foi eleita legitimamente pelo povo, legitimamente pelo povo"
Parece despropositado o esbravejo da deputada Andrea Murad (PMDB), na tribuna da Assembleia Legislativa contra a CPI da Saúde; Andrea disse ter a certeza de que consegue derrubar na Justiça a CPI. "V. Exas, vão investigar de 2009 a 2014, não sei quando, porque essa [CPI] vai ser, vamos entrar na justiça para derrubar até V. Exas fazerem uma direito", disse; "Isso aqui é uma revolta mesmo de uma parlamentar que foi eleita legitimamente pelo povo, legitimamente pelo povo" (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com Blog do Clodoaldo Corrêa - Parece despropositado o esbravejo da deputada Andrea Murad (PMDB) nesta segunda-feira (17) na tribuna da Assembleia Legislativa contra a CPI da Saúde. Andrea disse ter a certeza de que consegue derrubar na Justiça a CPI. "V. Exas, vão investigar de 2009 a 2014, não sei quando, porque essa [CPI] vai ser, vamos entrar na justiça para derrubar até V. Exas fazerem uma direito", gritou.

Andrea ainda tentou constranger os colegas de parlamento, agredindo o presidente da CPi e afirmando que esta não teria legitimidade. "Isso aqui é uma revolta mesmo de uma parlamentar que foi eleita legitimamente pelo povo, legitimamente pelo povo".

O juiz federal José Carlos do Vale Madeira bloqueou, na semana passada, R$ 17,5 milhões de Murad e de outras onze pessoas acusadas de irregularidades nos procedimentos licitatórios para a contratação de empresas com o objetivo de elaborar projetos de construção dos hospitais de 20 leitos do programa Saúde Vida.

Todo o discurso de Andrea foi o para tirar a legitimidade, constranger os membros e ameaçar entrar na Justiça contra a CPI. É um discurso exatamente contrário ao de quem está sereno e tranquilo quanto à sua inocência, já que a eleição da deputada foi legítima e a administração da Saúde por Ricardo Murad foi proba.

O ex-secretário Ricardo Murad não dizia pelos quatro cantos que não tinha medo de CPI e que iria colocar todos os deputados "no bolso"? Ricardo não andou dizendo que iria constranger os membros e sair da CPI com "atestado de boa conduta"? Ele mesmo não publicou nas redes sociais que estava à disposição para prestar esclarecimentos? Qual a melhor oportunidade de esclarecer do que em uma CPI com todos os holofotes?

Por que então a mudança do discurso? Por que o medo da investigação? O mais natural de quem se considera inocente sobre uma acusação é pedir a investigação, deixar claro sua inocência.

O discuso agressivo e desproporcionado da filha de Ricardo Murad dá um indicativo do que a CPI irá encontrar sobre sua gestão à frente da secretaria estadual de Saúde.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email