“Ataque de boçalidade”, define deputado sobre nova agressão de Bolsonaro à imprensa

“Presidente Jair Bolsonaro não agrediu hoje apenas os jornalistas. Agrediu toda a imprensa e a sociedade de um modo geral. Explicitou escancaradamente seu desapreço à democracia, que não existe sem jornalistas livres”, reagiu o vice-líder do PCdoB, deputado Márcio Jerry (MA)

Deputado federal Márcio Jerry (PCdoB-MA)
Deputado federal Márcio Jerry (PCdoB-MA) (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - “Mais um ataque de boçalidade, autoritarismo e aguda ignorância deste que todos os dias desonra a Presidência da República”. Assim o vice-líder do PCdoB, deputado federal Márcio Jerry (MA), classificou o novo ataque de Jair Bolsonaro à imprensa na manhã desta terça-feira (6).

Para o deputado maranhense, ao afirmar que jornalistas são uma “espécie em extinção”, obrigados a estarem “vinculados ao Ibama”, o mandatário voltou a mostrar contrariedade ao regime democrático e à liberdade de expressão da sociedade brasileira. 

“Presidente Jair Bolsonaro não agrediu hoje apenas os jornalistas. Agrediu toda a imprensa e a sociedade de um modo geral. Explicitou escancaradamente seu desapreço à democracia, que não existe sem jornalistas livres. Total repúdio a mais essa estupidez de Bolsonaro”. 

A irritação diante dos repórteres tinha motivo. Desde o último dia 3 de janeiro Bolsonaro vem sendo confrontado pelos profissionais com as informações divulgadas pelo Portal UOL. 

A reportagem expôs o uso de verba pública do fundo eleitoral pelo PP – antigo partido do presidente – durante a campanha eleitoral de 2014, o que garantiu a Bolsonaro seu sétimo mandato na Câmara dos Deputados. 

Atualmente sem partido, o presidente parece ter mudado de opinião e passou a defender, junto a seu eleitorado, que a população "não vote em quem usa fundão".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247