Cinturão das Águas do Ceará recebe R$ 54,5 milhões em recursos federais

Estado governado por Camilo Santana recebeu mais de R$ 54 milhões para a continuidade das obras do Cinturão das Águas do Ceará (CAC), obra orçada em R$ 1,6 bilhão, e que serve para complementar o Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco

Camilo Santana
Camilo Santana (Foto: THIARA MONTEFUSCO/ GOVERNO DO CEAAÁ)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governo federal liberou R$ 54,5 milhões para a continuidade das obras do Cinturão das Águas do Ceará (CAC), empreendimento que tem como objetivo amparar moradores na Região Metropolitana de Fortaleza. Orçado em R$ 1,6 bilhão, o CAC é uma obra complementar ao Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco e integrará as águas do ‘Velho Chico’ à bacia do Rio Jaguaribe. O projeto já recebeu R$ 1,1 bilhão em investimentos.

De acordo com o ministro do Desenvolvimento Regional, "o Cinturão das Águas do Ceará é um empreendimento vital à segurança hídrica para a população de Fortaleza e de cidades próximas". "Além disso, com a certeza de continuidade, estamos fomentando a manutenção de empregos e contribuindo com a economia local, sobretudo nesse momento de pandemia", disse ele, nesta quinta-feira (25), durante reunião com o governador Camilo Santana.

O trecho prioritário de 53 quilômetros já está apto à passagem dos recursos hídricos, que terão diversas funções: abastecimento humano, público e industrial. A expectativa é que, em agosto, sejam iniciados os testes de entrega de água do Projeto São Francisco ao CAC. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247