Considerado "perseguição interminável", inquérito contra Humberto é arquivado pelo STF

Segunda Turma do STF arquivou inquérito da Lava Jato feito exclusivamente em cima de depoimento do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa

(Foto: Ag. Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) arquivou nesta terça-feira (23) um inquérito contra o senador Humberto Costa (PT-PE), aberto pela operação Lava Jato exclusivamente com base no depoimento do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa. 

Para os ministros, as investigações, que não reuniram quaisquer elementos contra o senador, se arrastavam há anos sem apresentar nenhum resultado.

Incluído em 2014 na chamada "Lista de Janot", o caso de Humberto passou seis anos sem que os agentes da Lava Jato nada encontrassem contra ele. Quatro anos e meio atrás, a Polícia Federal pediu o arquivamento do inquérito por não ter identificado nada que justificasse a continuidade do processo. Mas o Ministério Público Federal negou o pedido e solicitou que o caso seguisse aberto.

Na sessão desta tarde, os ministros ressaltaram o que consideraram o absurdo de uma "perseguição interminável", tendo em conta o imenso tempo em que o inquérito vinha se desenrolando sem que os procuradores tivessem quaisquer elementos que, ao menos, resultassem em uma denúncia. Ricardo Lewandowski chegou a chamar o processo de "kafkiano" porque parecia não ter fim.

Após o julgamento, o senador se manifestou afirmando que não podia dizer que recebia o resultado com alegria. "Por mais de seis anos, fui execrado em matérias de rádios, TVs, jornais, sites, blogs, como se fosse culpado quando fui vítima de uma operação que, hoje se sabe, praticou todo tipo de crime. Reviraram a minha vida, de meus familiares, de meus funcionários. Nada encontraram. Mesmo assim, a perseguição política da Lava Jato continuou", comentou Humberto. "Rui Barbosa dizia que justiça tardia era injustiça institucionalizada. Por isso, não me alegro da decisão. Sinto somente alívio por não ver mais essa injustiça prosperando."

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email