Deputado Wilson Santiago é denunciado por organização criminosa e corrupção passiva

Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou neste sábado (21) o deputado Wilson Santiago (PTB-PB), o prefeito de Uiraúna (PB), João Bosco Nonato Fernandes (PSDB), e outras cinco pessoas por corrupção passiva e organização criminosa

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou neste sábado (21) o deputado Wilson Santiago (PTB-PB), o prefeito de Uiraúna (PB), João Bosco Nonato Fernandes (PSDB), e outras cinco pessoas por corrupção passiva e organização criminosa.

Eles são acusados de desvio de recursos destinados à construção da adutora Capivara no sertão paraibano.

José Wilson Santiago (PTB-PB) é um dos alvos da Operação Pés de Barro, deflagrada neste sábado (21) pela Polícia Federal. O gabinete dele na Câmara dos Deputados foi revistado por policiais federais.

Foram cumpridos 13 mandados de busca e apreensão, nas residências e locais de trabalho dos investigados, quatro mandados de prisão preventiva e sete ordens de afastamento das funções públicas, entre elas, a do deputado.

Segundo a PF, as investigações apuram pagamentos de “propina” decorrentes do superfaturamento das obras da Adutora Capivara, sistema que se estende do município de São José do Rio do Peixe a Uiraúna, no sertão da Paraíba.

As obras, contratadas por mais de R$ 24 milhões, teriam distribuídos, de acordo com as investigações, propinas no valor R$ 1,266 milhão. Foi determinada, também, pela Justiça, a indisponibilidade de bens imóveis em nome dos investigados.

A ação, autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello, mobilizou 80 policiais federais. Eles cumprem mandados em endereços ligados aos investigados, em Brasília, no Distrito Federal, João Pessoa, e em mais duas cidades do sertão da Paraíba.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247