Dino aciona Congresso por 'omissão sobre taxar grandes fortunas'

Na Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 31, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), pede que o STF dê prazo de 180 dias ao Congresso para que envie à sanção presidencial projeto de lei instituindo e regulamentando o imposto sobre grandes fortunas; segundo ele, a renúncia inconstitucional de receita pela União tem estreita ligação com os interesses de seu Estado: “a dependência estadual dos cofres federais se exaspera no caso do Estado do Maranhão, porque se trata do Estado-membro com o segundo menor PIB per capita e que ostenta ainda baixíssimos indicadores sociais, como o segundo pior Índice de Desenvolvimento Humano”

Na Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 31, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), pede que o STF dê prazo de 180 dias ao Congresso para que envie à sanção presidencial projeto de lei instituindo e regulamentando o imposto sobre grandes fortunas; segundo ele, a renúncia inconstitucional de receita pela União tem estreita ligação com os interesses de seu Estado: “a dependência estadual dos cofres federais se exaspera no caso do Estado do Maranhão, porque se trata do Estado-membro com o segundo menor PIB per capita e que ostenta ainda baixíssimos indicadores sociais, como o segundo pior Índice de Desenvolvimento Humano”
Na Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 31, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), pede que o STF dê prazo de 180 dias ao Congresso para que envie à sanção presidencial projeto de lei instituindo e regulamentando o imposto sobre grandes fortunas; segundo ele, a renúncia inconstitucional de receita pela União tem estreita ligação com os interesses de seu Estado: “a dependência estadual dos cofres federais se exaspera no caso do Estado do Maranhão, porque se trata do Estado-membro com o segundo menor PIB per capita e que ostenta ainda baixíssimos indicadores sociais, como o segundo pior Índice de Desenvolvimento Humano” (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), entrou com uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) contra o Congresso por não ter regulamentado o imposto sobre grandes fortunas, previsto no artigo 153, inciso VII, da Constituição.

Segundo ele, a renúncia inconstitucional de receita pela União tem estreita ligação com os interesses de seu Estado: “a dependência estadual dos cofres federais se exaspera no caso do Estado do Maranhão, porque se trata do Estado-membro com o segundo menor Produto Interno Bruto (PIB) per capita e que ostenta ainda baixíssimos indicadores sociais, como o segundo pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH)”.

Na Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO) 31, o governador pede que o STF dê prazo de 180 dias ao Congresso para que envie à sanção presidencial projeto de lei instituindo e regulamentando o imposto sobre grandes fortunas.

Leia aqui reportagem de Fausto Macedo sobre o assunto. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247