“Eles estão cheios de desejos autoritários”, diz autor de PL que pune apologia à ditadura

Vice-líder do PCdoB, deputado federal Márcio Jerry (MA) alertou para a necessidade de reforçar a precaução em torno do sistema democrático diante das declarações de integrantes do governo como a do ministro Paulo Guedes sobre o AI-5

Márcio Jerry
Márcio Jerry
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O vice-líder do PCdoB, deputado federal Márcio Jerry (MA) alertou, nesta quarta-feira (27), para a necessidade de reforçar a precaução em torno do sistema democrático, a fim de garantir o bom funcionamento das instituições brasileiras. Em tom de alerta, o parlamentar que compõe a base aliada do atual Governador do Maranhão, Flávio Dino, avalia que as recentes declarações sobre a retomada de regimes autoritários revelam a falta de um projeto claro e a desordem da cúpula do Governo de Jair Bolsonaro.  

“As pregações absurdas de ataques à democracia requerem total atenção em nosso país. Expoentes do governo Bolsonaro e de sua base, de forma recorrente, se referem à possibilidade de repressão, AI-5, ditadura. Eles estão perdidos no Governo e cheios de desejos autoritários”, afirmou.  

Na última segunda-feira (25), o ministro da economia, Paulo Guedes, afirmou que seria plausível "pedir um novo AI-5" caso o povo ocupasse as ruas contra as reformas propostas por Jair Bolsonaro. No fim de outubro, foi a vez do filho 03, Eduardo Bolsonaro, dizer que se a esquerda 'radicalizasse', uma das respostas do Governo poderia ser 'via um novo AI-5'.Poucos dias depois, em resposta a Eduardo, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, afirmou que era preciso "estudar como fazer" isso.  

Márcio Jerry é autor do PL 1798/2019, que criminaliza a apologia ao retorno da ditadura militar e a pregação de novas rupturas institucionais no país. Parado na Comissão de Cultura (CCULT), a proposição, junto a outras, de conteúdo semelhante, aguarda parecer do relator para avançar na Casa, antes de se tornar lei.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247