Juízes de Pernambuco que receberam até 23 férias acumuladas podem ser obrigados a devolver dinheiro

Em novembro, juízes e desembargadores do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE) receberam pagamentos de férias acumuladas e alguns deles obtiveram remuneração líquida de até R$ 695 mil, de uma só vez. CNJ vai decidir após o recesso se os magistrados vão ter que devolver o dinheiro

Tribunal de Justiça de Pernambuco
Tribunal de Justiça de Pernambuco (Foto: Reprodução/TV Globo)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Fórum - Em novembro, juízes e desembargadores do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE) receberam pagamentos estratosféricos de férias acumuladas. Alguns nomes obtiveram remuneração líquida de até R$ 695 mil, de uma só vez. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), no entanto, vai decidir após o recesso se os magistrados vão ter que devolver o dinheiro.

A possível devolução ocorre por conta de uma resolução do CNJ que teria autorizado o pagamento de apenas duas férias retroativas acumuladas. No entanto, casos como o do juiz Fausto Campos fogem à regra: neste mês, ele recebeu, de uma só vez, o pagamento de até 23 férias acumuladas correspondentes a atrasos desde 1994.

Ainda, em casos como esse, a resolução do CNJ define que o pagamento de retroativos só pode ser feito se os cálculos forem encaminhados ao Conselho para conferência dos números.

Leia a íntegra na Revista Fórum

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247