Mais um delator aponta propina para Lobão

Com Luiz Carlos Martins, ex-diretor de Energia da Camargo Corrêa, chega a cinco o número de delatores da Lava Jato que afirmam que o senador Edison Lobão (PMDB- MA) e o PMDB foram destinatários de propina em contratos para as obras das usinas de Belo Monte e Angra 3; advogado de Lobão, Antônio Castro de Almeida Castro, o Kakay, questionou as delações da Lava Jato: “Eu acho perigoso esse excesso de delações. É perigoso se basear na palavra do delator sem ter uma prova. O excesso de delações está fazendo com que o processo perca seu prumo”

Com Luiz Carlos Martins, ex-diretor de Energia da Camargo Corrêa, chega a cinco o número de delatores da Lava Jato que afirmam que o senador Edison Lobão (PMDB- MA) e o PMDB foram destinatários de propina em contratos para as obras das usinas de Belo Monte e Angra 3; advogado de Lobão, Antônio Castro de Almeida Castro, o Kakay, questionou as delações da Lava Jato: “Eu acho perigoso esse excesso de delações. É perigoso se basear na palavra do delator sem ter uma prova. O excesso de delações está fazendo com que o processo perca seu prumo”
Com Luiz Carlos Martins, ex-diretor de Energia da Camargo Corrêa, chega a cinco o número de delatores da Lava Jato que afirmam que o senador Edison Lobão (PMDB- MA) e o PMDB foram destinatários de propina em contratos para as obras das usinas de Belo Monte e Angra 3; advogado de Lobão, Antônio Castro de Almeida Castro, o Kakay, questionou as delações da Lava Jato: “Eu acho perigoso esse excesso de delações. É perigoso se basear na palavra do delator sem ter uma prova. O excesso de delações está fazendo com que o processo perca seu prumo” (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Mais um delator envolveu o senador Edison Lobão (PMDB-MA) na operação Lava Jato. Com Luiz Carlos Martins, ex-diretor de Energia da Camargo Corrêa, chega a cinco o número de delatores que afirmam que Lobão e o PMDB foram destinatários de propina em contratos para as obras das usinas de Belo Monte e Angra 3.

O executivo da Andrade Gutierrez Flavio David Barra já tinha confirmado em depoimento à Polícia Federal que o presidente da UTC, Ricardo Pessoa, pediu uma contribuição para o PMDB ao consórcio responsável pelas obras de Angra 3. Segundo Barra, a doação era em nome do ex-ministro de Minas e Energia.

O empresário Dalton Avancini, ex-presidente da Camargo Corrêa, disse em seu termo de delação premiada que nessa reunião, que ocorreu em agosto de 2014 entre as empreiteiras Camargo Corrêa, UTC e Andrade Gutierrez, teria sido discutido também o pagamento de propinas de 1% do montante do contrato para o PMDB e dirigentes da Eletronuclear.

O advogado de Lobão, Antônio Castro de Almeida Castro, o Kakay, questionou as delações da Lava Jato: “Eu acho perigoso esse excesso de delações. É perigoso se basear na palavra do delator sem ter uma prova. O excesso de delações está fazendo com que o processo perca seu prumo”.

Leia aqui reportagem de André Guilherme Vieira sobre o assunto.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email